Papa Francisco: Quer ser livre? Então seja escravo do amor

Papa Francisco: Quer ser livre? Então seja escravo do amor

correntesO Salmo 103 foi o centro da homilia do Papa Francisco na Missa que presidiu hoje na capela da Casa Santa Marta. O Pontífice convidou a ser um escravo do amor, porque desta forma a pessoa se torna totalmente livre.

“És grande Senhor” é “um canto de louvor”, disse o Papa. “O Pai trabalha para fazer esta maravilha da criação e para fazer com o Filho esta maravilha da recriação”, explicou.

O Santo Padre se perguntou por que então Deus criou o mundo e assinalou que foi “simplesmente para compartilhar a sua plenitude, para ter alguém a quem dar e com o qual compartilhar a sua plenitude”. E na recriação, faz “do feio, bonito; do erro, verdade; do mau, bom”.

“Quando Jesus diz: ‘O Pai sempre atua; também eu atuo sempre’, os doutores da lei se escandalizaram e queriam matá-lo por isso. Por quê? Porque não sabiam receber as coisas de Deus como um dom! Somente como justiça: ‘Estes são os mandamentos. Mas são poucos, vamos fazer mais’. E ao invés de abrir o coração ao dom, se esconderam, procuraram refúgio na rigidez dos mandamentos, que eles tinham multiplicado por 500 vezes ou mais… Não sabiam receber o dom. E o dom somente se recebe com a liberdade. E esses rígidos tinham medo da liberdade que Deus nos dá; tinham medo do amor”.

Francisco continuou: “Por isso hoje louvamos o Pai: ‘És grande Senhor! Nós te queremos bem porque me destes este dom. Salvou-me, me criou’”.

“E esta é a oração de louvor, a oração de alegria, a oração que nos dá a alegria da vida cristã. E não aquela oração fechada, triste, da pessoa que não sabe receber um dom porque tem medo da liberdade que um dom sempre traz consigo. Somente sabe fazer o ‘dever’, mas o dever fechado. Escravos do dever, mas não do amor. Quando você se torna escravo do amor, está livre! Esta é uma bela escravidão! Mas eles não entediam isso”.

Para o Pontífice, existem “duas maravilhas do Senhor”: “a maravilha da criação e a maravilha da redenção, da recreação”. “Como eu recebo isto que Deus me deu – a criação – como um dom? E se o recebo como um dom, amo a criação, protejo a Criação”.

“Como recebo a redenção, o perdão que Deus me deu, o fazer-me filho com o seu Filho, com amor, com ternura, com liberdade ou me escondo na rigidez dos mandamentos fechados, que sempre são mais ‘seguros’ , mas não dão alegria, porque não o faz livre?”, perguntou.

“Cada um de nós pode se perguntar como vive essas duas maravilhas, a maravilha da criação e ainda mais a maravilha da recriação. E que o Senhor nos faça entender esta grande coisa e nos faça entender aquilo que Ele fazia antes de criar o mundo: amava! Faça-nos entender o seu amor por nós e nós podemos dizer – como dissemos hoje – ‘És tão grande Senhor! Obrigado, obrigado!’”.

Salmo responsorial comentado pelo Papa:

Salmo 103

— Alegre-se o Senhor em suas obras!

— Bendize, ó minha alma, ao Senhor! Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! De majestade e esplendor vos revestis e de luz vos envolveis como num manto.

— A terra vós firmastes em suas bases, ficará firme pelos séculos sem fim; os mares a cobriram como um manto, e as águas envolviam as montanhas.

— Fazeis brotar em meio aos vales as nascentes que passam serpeando entre as montanhas; às suas margens vêm morar os passarinhos, entre os ramos eles erguem o seu canto.

— Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras, e que sabedoria em todas elas! Encheu-se a terra com as vossas criaturas! Bendize, ó minha alma, ao Senhor!

Fonte: ACI

Conheça a tentação da qual o Papa Francisco alerta os religiosos porque “seca o coração”

Conheça a tentação da qual o Papa Francisco alerta os religiosos porque “seca o coração”

PapaMisa2febreroNotaDanielIbanezACIPrensaNa Basílica de São Pedro, onde celebrou a Missa por ocasião da Festa da Apresentação do Senhor e do Dia Mundial da Vida Consagrada, o Papa Francisco alertou contra a “tentação da sobrevivência”, que “seca” e “esteriliza” o coração.

Na homilia que pronunciou, o Pontífice comentou as leituras da liturgia e recordou que “encontro de Deus com o seu povo desperta a alegria e renova a esperança” e falou sobre os anciãos, dos quais herdamos “este cântico de esperança”.

“Eles introduziram-nos nesta ‘dinâmica’. Nos seus rostos, nas suas vidas, na sua dedicação diária e constante, pudemos ver como este louvor se fez carne. Somos herdeiros dos sonhos dos nossos pais, herdeiros da esperança que não decepcionou as nossas mães e os nossos pais fundadores, os nossos irmãos mais velhos. Somos herdeiros dos nossos anciãos que tiveram a coragem de sonhar; e, como eles, também nós hoje queremos cantar: Deus não engana, a esperança n’Ele não decepciona. Deus vem ao encontro do seu povo”.

Francisco assegurou que “nos faz bem acolher o sonho dos nossos pais, para podermos profetizar hoje e encontrar novamente aquilo que um dia inflamou o nosso coração”.

“Sonho e profecia juntos. Memória de como sonharam os nossos anciãos, os nossos pais e mães, e coragem para levar por diante, profeticamente, este sonho”, acrescentou.

O Papa alertou os religiosos de “uma tentação que pode tornar estéril a nossa vida consagrada: a tentação da sobrevivência”. Na sua opinião, é “um mal que pode instalar-se pouco a pouco dentro de nós, no seio das nossas comunidades”.

“A atitude de sobrevivência faz-nos tornar reacionários, temerosos, faz-nos fechar lenta e silenciosamente nas nossas casas e nos nossos esquemas. Faz-nos olhar para trás, para os feitos gloriosos mas passados, o que, em vez de despertar a criatividade profética nascida dos sonhos dos nossos fundadores, procura atalhos para escapar aos desafios que hoje batem às nossas portas”.

Entre outras, “faz-nos esquecer da graça, transforma-nos em profissionais do sagrado, mas não pais, mães ou irmãos da esperança, que fomos chamados a profetizar. Este clima de sobrevivência torna árido o coração dos nossos anciãos privando-os da capacidade de sonhar e, assim, torna estéril a profecia que os mais jovens são chamados a anunciar e realizar”.

Francisco resumiu este perigo sublinhando que esta tentação “transforma em perigo, em ameaça, em tragédia aquilo que o Senhor nos dá como uma oportunidade para a missão. Esta atitude não é própria apenas da vida consagrada, mas nós em particular somos convidados a precaver-nos de cair nela”.

O Santo Padre assinalou, então, que para fazer frente a esta situação, é preciso acolher Jesus de tal maneira que “a alegria e a esperança” sejam restituídas. “Só isto tornará fecunda a nossa vida, e manterá vivo o nosso coração: colocar Jesus precisamente onde Ele deve estar, ou seja, no meio do seu povo”.

Especificamente, o Papa reconheceu a “transformação multicultural que atravessamos” e, por isso, ressaltou a importância de ser “fermento desta massa concreta”.

“Poderão certamente haver ‘farinhas’ melhores, mas o Senhor convidou-nos a levedar aqui e agora, com os desafios que nos aparecem. E não com atitude defensiva, nem movidos pelos nossos medos, mas com as mãos no arado procurando fazer crescer o trigo muitas vezes semeado no meio do joio”.

“Colocar Jesus no meio do seu povo – continuou – significa ter um coração contemplativo, capaz de discernir como é que Deus caminha pelas ruas das nossas cidades, das nossas terras, dos nossos bairros. Colocar Jesus no meio do seu povo significa ocupar-se e querer ajudar a levar a cruz dos nossos irmãos. É querer tocar as chagas de Jesus nas chagas do mundo, que está ferido e anela e pede para ressuscitar”.

O Papa também convidou a “sair de si mesmo para se unir aos outros”, algo que só é possível “se assumirmos os sonhos dos nossos anciãos e os transformarmos em profecia”.

Fonte: ACI

Cronograma mensal de missas

  • Igreja Matriz: 

Sábado às 19hrs

Domingo às 8hrs e às 10hrs

Terça às 19hrs

Missas no Hospital 

Terças-feiras e sextas-feiras às 11h15min

Missas no Convento 

Quintas-feiras e sextas-feiras às 18h15min

Domingo às 7h30min

Missas nas Comunidades: 

03/02 – 8hrs – Matriz, missa de São Brás, Apostolado da Oração (Benção de São Brás).

19hrs – Rancho Queimado, missa de São Brás, Apostolado da Oração (Benção de São Brás).

04/02 – 15hrs – Rio Novo

16hr30min – Rio São João

15 hrs – Fartura

17hrs – Alto Garcia

11/02 – 15hrs – Rio Fortuna

17hrs – Rio Engano

17hrs – Morro Mineiro

12/02 – 09hr30min – Garcia

18/02 – 15 hrs – Mato Francês

17 hrs – Taquaras

17hrs – Rancho de Tabuas

19hrs – Rancho Queimado

23/02 – 18hrs Sabino, Rancho Queimado

25/02 – 16hrs Terceira Linha

17hrs – Rio Bonito

26/02 – 9hr30min – Garcia

28/02 –  11:15  Hospital

Mensagem do Frei Paulo: Começar bem o Ano!

Mensagem do Frei Paulo: Começar bem o Ano!

Começar bem o Ano!

Muita paz, querido(a) paroquiano(a) que parou para vislumbrar essas palavras de nosso Boletim.

Viva São Brás! São Brás nasceu em Armênia, sec. III-IV, bispo de Sebaste, foi vítima das perseguições romanas. É conhecido como protetor contra os males da garganta, por ter salvo uma criança engasgada com espinha de peixe.

Participem das Missas do Apostolado Oração dia 03/02 às 08h – Matriz e 19h – Rancho Queimado, haverá no final a benção de São Brás.

Salve Nossa Senhora de Lourdes! Nossa Senhora de Lourdes seja nossa intercessora junto a Deus. Sua mensagem consiste no apelo à conversão, à oração e à caridade. Temos a graça de termos uma Gruta dedicada à ela, nossa Mãe. Haverá uma Missa às 9h, saindo em procissão cantando e louvando Nossa Senhora, Mãe da humanidade. Venham participar conosco!

Quarta-feira de Cinzas! Em sua liturgia da Quarta-feira de Cinzas, a Igreja nos convida a uma reflexão com esta dura e crua advertência: ¨Lembra-te, homem, que és pó e ao pó retornarás¨.

sonhar-com-cinzas

São palavras que nos lembram a nossa condição de matéria perecível, convidando-nos a refletir sobre o que verdadeiramente importa nesta passagem pelo mundo, onde tudo o que a ele se liga é fugaz/efêmero. Essa advertência nos convida à prática e ao cultivo da humildade, virtude que tanto dignifica e engrandece o ser humano. Também, pouco valem as conquistas terrenas, as honrarias adquiridas, a fortuna e o poder, etc… ante o insolúvel Mistério da Eternidade.

E é bem na Quarta-feira de Cinzas, após o carnaval, que a Igreja nos faz essa advertência tão dura e verdadeira. Após a ¨folia¨ do carnaval: diversão, alegria, festa… vem a chamada de atenção para a realidade: ¨Lembra-te homem, que és pó e ao pó retornarás¨.

Convido a todos(as) vocês que façam uma reflexão neste início de Quaresma, período cristão de recolhimento, penitência e oração.

As férias passaram, deparamo-nos com o retorno à realidade, ao trabalho, à disciplina cotidiana. E, vamos nos  esforçar um pouco mais na busca do nosso verdadeiro destino, à vida eterna por Cristo prometida.

Enfim, gostaria de motivar a todos(as) para a formação que será dada em todas nas comunidades sobre a Campanha da Fraternidade de 2017- Fraternidade : Biomas Brasileiros e defesa da Vida (¨Cultivar e guardar a criação¨).

O objetivo principal desta Campanha é cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho.

Também, convido você a se doar numa equipe litúrgica, se inserir em algum grupo como Apostolado da Oração, OFS, etc… um voluntário do nosso Restaurante que funciona aos domingos.

 

FREIPAULO

Que Deus todo poderoso vos abençoe e vos guarde! Paz e Bem!

Frei Paulo Cézar Magalhães Borges, OFM

Pároco

 

Papa Francisco: Nossa ressurreição é uma certeza real que se sustenta na de Cristo

Papa Francisco: Nossa ressurreição é uma certeza real que se sustenta na de Cristo

Audiencia1febreroPapaLuciaBallesterACIPrensaO significado a morte e a natureza da ressurreição foram os temas sobre os quais o Papa Francisco falou em sua catequese da Audiência Geral desta quarta-feira, que aconteceu na Sala Paulo VI do Vaticano.

O Santo Padre refletiu sobre o medo natural que todos sentimos e a esperança cristã radicada na ressurreição de Cristo.

Remetendo-se às palavras de São Paulo em sua Carta aos Tessalonicenses, o Papa Francisco afirmou: “Tudo passa, mas, depois da morte, sempre estaremos com o Senhor. É a certeza total da esperança cristã”.

Se nas catequeses passadas o Santo Padre se centrou na mensagem de esperança presente no Antigo Testamento, desta vez, explicou a mensagem de esperança no Novo Testamento: “Nós, cristãos, somos mulheres e homens de esperança”, assegurou.

O Papa explicou em que consiste a esperança cristã: “Quando se fala de esperança, podemos ser levados a compreendê-la segundo a acepção comum do termo, em referência a algo belo que desejamos, que pode ou não se realizar”.

“Quando se diz por exemplo: espero que amanhã o tempo seja bom. Mas a esperança cristã não é assim. A esperança cristã é a espera em algo que já aconteceu e que certamente acontecerá para cada um de nós”.

“A nossa ressurreição e a dos nossos queridos defuntos não é, portanto, algo que poderá acontecer ou não, mas é uma realidade certa, enquanto enraizada no evento da ressurreição de Cristo. Esperar, portanto, implica aprender a viver na espera. Isso implica um coração humilde, pobre”.

“Quando uma mulher está grávida, todos os dias, aprende a viver na espera de ver o olhar daquela criança que está chegando. Também nós devemos viver e aprender dessas esperas humana e viver na espera de olhar e encontrar o Senhor. Isto não é fácil, viver na espera, mas se aprende”, acrescentou o Santo Padre.

Em sua catequese, Francisco recordou que os cristãos na comunidade Tessalônica estavam preocupados com a morte e a ressurreição.

“A dificuldade da comunidade não era tanto de reconhecer a ressurreição de Jesus, mas de acreditar na ressurreição dos mortos”. Por esta razão, “o Apóstolo tenta fazê-los compreender todos os efeitos e as consequências que este evento único e decisivo, isto é a ressurreição do Senhor, comporta para a história e a vida de cada um”.

O Bispo de Roma assinalou que não se deve esquecer que, a comunidade de Tessalônica era “jovem, fundada recentemente, mas, apesar das dificuldades e das provas, está enraizada na fé e celebra com entusiasmo e alegria a ressurreição do Senhor Jesus”.

“Quando Paulo escreve, a comunidade de Tessalônica tinha apenas sido fundada, e somente poucos anos os separa da Páscoa de Cristo”.

“Esta carta – continuou o Pontífice –, se revela mais atual do que nunca. Todas as vezes que nos deparamos com a nossa morte, ou de uma pessoa querida, sentimos que a nossa fé é colocada em prova. Emergem todas as nossas dúvidas, todas as nossas fragilidades e nos perguntamos: ‘Existe realmente a vida depois da morte? Poderia ainda ver e abraçar que eu amei?’”.

“Também nós, no contexto atual, temos necessidade de retornar às raízes e fundamento da nossa fé, para assim tomar consciência de quanto Deus realizou por nós em Jesus Cristo e o que significa a nossa morte. Todos nós temos um pouco de medo da morte por esta incerteza”.

Nesse sentido, contou uma pequena história: “Vem-me à minha memória, um idoso corajoso que disse: ‘Eu não tenho medo da morte…, só um pouco de medo de vê-la chegando’. Ele tinha um medo disso”, resumiu brincando com o senso de humor daquele idoso.

Fonte: ACI

Papa Francisco condena atentado mortal contra mesquita no Canadá

Papa Francisco condena atentado mortal contra mesquita no Canadá

PapaFranciscoNewsva261216O Papa Francisco condenou o atentado contra a mesquita de Quebec (Canadá), que causou a morte de seis pessoas e deixou vários feridos; foi o que expressou o Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin, através de uma mensagem enviada ao Núncio Apostólico no Canadá, Dom Luigi Banozzi.

Na mensagem, o Santo Padre se somou à dor das famílias das vítimas, pediu a Deus que os conforte e se uniu em oração pelos mortos. Além disso, o Pontífice pôde se reunir pessoalmente com o Arcebispo de Quebec, Cardeal Gérald Cyprien Lacroix, após a Missa na Casa Santa Marta e transmitir-lhe suas condolências.

“O atentado ocorrido em Quebec, contra uma sala de oração de um centro cultural islâmico, provocou inúmeras vítimas. Sua Santidade, o Papa Francisco, confia à misericórdia de Deus as pessoas que perderam a vida e se une na oração e na dor a seus entes queridos”, assinala o Cardeal Parolin em nome do Santo Padre.

Na mensagem, o Papa também transmite sua bênção “aos familiares, assim como a todas as pessoas que contribuíram nas tarefas de socorro, pedindo ao Senhor que os conforte e console nesta provação”. Da mesma maneira, o Pontífice condena firmemente, mais uma vez, “a violência que gera tanto sofrimento, implora a Deus o dom do respeito mútuo e da paz e pede o benefício das bênçãos divinas para as famílias das vítimas e para as pessoas afetadas por este drama, assim como para todos os quebequenses”.

O atentado terrorista aconteceu na noite de domingo, segundo indicaram as autoridades canadenses, quando ao menos duas pessoas, que já foram detidas, abriram fogo contra as dezenas de fiéis muçulmanos que rezavam no interior da mesquita naquele momento.

Por sua parte, o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso emitiu também um comunicado no qual assinala que recebeu com enorme tristeza e indignação a notícia do ataque contra muçulmanos enquanto rezavam na mesquita da cidade de Quebec.

“Com este gesto insensato, violaram a sacralidade da vida humana e o respeito devido a uma comunidade em oração no lugar de culto que os acolhia”, indica o comunicado. “O Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso condena firmemente este ato de inaudita violência e deseja fazer chegar sua plena solidariedade aos muçulmanos do Canadá, assegurando sua calorosa oração pelas vítimas e suas famílias”.

Fonte: ACI

Santa Inês: conheça a santa padroeira dos noivos

Santa Inês: conheça a santa padroeira dos noivos

noivos

Inês foi uma bela jovem na Roma Antiga, nascida em nobreza e criada em uma família cristã durante o tempo em que o imperador procurou extinguir a chama do Cristianismo. Mesmo assim, Inês era bem apreciada por seus colegas na idade jovem e costumava passear pela cidade com amigos, acompanhada por sua irmã adotiva Emerentiana. Foi sua aparência impressionante que atraiu a atenção de muitos pretendentes. Seus longos cabelos pretos, pele clara e olhos castanho-escuros foram comentados por homens do mais alto escalão.

Seria vantajoso para ela ter se casado com qualquer homem que se aproximou, no entanto ela recusou a todos. Pelas muitas investidas, ela reconheceu que os corações dos homens estavam cheios de luxúria. Além disso, em seus olhos, ela já estava “tomada” por Deus e desejava viver uma vida pura e casta.

Um dia, outro pretendente passou, desta vez o filho de um influente prefeito romano. Um jovem orgulhoso, que tinha certeza de que Inês iria se casar com ele, especialmente por causa de seu status elevado. Ela recusou-o duas vezes. Isso enfureceu seu pai que, rapidamente, informou as autoridades locais que Inês era uma cristã. Inicialmente impedida pela lei romana (que não permitia a execução de uma virgem), toda tentativa de prejudicar sua pureza declinou. Uma nova decisão foi feita e os funcionários condenaram-na a uma morte cruel.

A cidade ficou chocada com a notícia da execução de um cordeirinho tão precioso, e acredita-se que sua morte contribuiu para o fim da perseguição cristã.

A trágica história de Inês, uma bela jovem que foi morta por não aceitar as propostas de um homem poderoso, pode nos ensinar muito sobre a necessidade de avaliarmos nossos próprios relacionamentos. Acima de todas as coisas, Inês queria preservar suas crenças religiosas e a pureza de coração. Por isso, recusou-se a recuar quando estava sob pressão. Esses homens que se aproximaram dela foram, claramente, alimentados por suas paixões pecaminosas e ficaram pasmados quando ela não cedeu.

Em nossas próprias vidas, muitas vezes pensamos que, para encontrar o amor, devemos baixar nossos padrões. Devemos pensar que precisa haver um “dar e receber” em nossos relacionamentos quando se trata de nossa pureza. Um namorado, namorada ou noivo pode sugerir: “Vamos morar juntos”, e poderíamos responder: “Por que não? Não estamos no século XXI?”

O que Inês nos ensina é que não devemos nos curvar sob as pressões do mundo e que é possível permanecermos fortes em nossa fé, mesmo quando todos estão contra nós. Não precisamos comprar um amor superficial, mas devemos procurar algo muito maior, que nos satisfaça verdadeiramente. Ela é um grande exemplo para nós e para todos os noivos, inspirando-nos a permanecer fiéis às nossas crenças e a nos apegarmos estreitamente ao amor de Deus.

Se você está noivo ou noiva (ou está prestes a ficar), luta com pureza e tem medo de se aproximar de seu amado por causa disso, reze a Santa Inês de Roma. Ela sabe a pressão que você está sofrendo e vai interceder por você em seu nome, dando-lhe a força para fazer o que parece impossível.

Oração

Ó gloriosa Santa Inês,

Que serviu a Deus com humildade e confiança na terra

E está, agora, no gozo de Sua visão beatificada no céu,

Porque perseverou até a morte

E ganhou a coroa da vida eterna.

Lembre-se, agora, dos perigos

Que me cercam no vale de lágrimas,

E interceda por mim em minhas necessidades e problemas.

Amém.

Programas de rádio na Arquidiocese – É hora de sintonizar!

Programas de rádio na Arquidiocese – É hora de sintonizar!

radioNeste verão, o trânsito é caótico nas cidades da Arquidiocese de Florianópolis, principalmente nos municípios praianos. O tempo que as famílias ficam paradas no trânsito torna a viagem cansativa e estressante. Para deixar essa jornada mais agradável e tranquila, a Revista de Verão 2017 anuncia alguns programas de rádio apresentados por padres arquidiocesanos.

Pe. Carlos André Paixão

Pároco da Paróquia Senhor Bom Jesus dos Aflitos, em Porto Belo

PROGRAMA

Meditação do Evangelho Diário

De segunda a sexta, 06h45, na Rádio Litoral 104,1 FM, de Itapema

 

Pe. Celso Antunes Duarte

Pároco  do Santuário da Imaculada  Conceição da  Lagoa, em Florianópolis

PROGRAMA

A Igreja no Rádio

3ª quarta-feira do mês, à 00h20, na Rádio Cultura AM 1110

 

Pe. Domingos Volney Nandi

Vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes e

São Luiz Gonzaga, em Florianópolis

PROGRAMA

Mesa da Palavra

Sexta, às 17h, na Rádio Cultura AM 1110, de Florianópolis Sexta, às 15h, na Rádio Conceição 105,9 FM, de Itajaí Sexta, às 12h05, na Rádio Católica AM 1500, de Balneário Camboriú

 

Pe. Márcio Alexandre Vignoli

Pároco da Paróquia Divino Espírito Santo, de Camboriú

PROGRAMA

Mais Feliz com Jesus

De segunda a sexta, às 11h30, na Rádio Cultura AM 1110, de Florianópolis; na Rádio Católica AM 1500, de Balneário Camboriú, e na Rádio Conceição 105,9 FM, de Itajaí.

 

Pe. Magnos José Barn Caneppele

Pároco da Paróquia São Luiz Gonzaga, de Brusque

PROGRAMA

A Palavra

Segunda, quarta, quinta e sexta, às 18h,

 

Pe. Napoleão Lauriano dos Santos

Reitor do Santuário de Santa Paulina, em Nova Trento

Pe. Nelson Tachini

Capelão do Santuário de Santa Paulina

PROGRAMA

A voz do Santuário

Todos os dias, às 12h, na 102,3 FM, de Nova Trento.

De segunda a sábado, às 06h, na Super 99,9 FM, de São João Batista

Todos os dias, às 12h30, na Rádio Conceição 105,9 FM, de

Itajaí

Domingo, às 11h, na Rádio Cultura AM 1110, de Florianópolis, e Católica AM 1500, de Camboriú

 

Pe. Pedro José Koehler

Capelão da Igreja do Senhor Jesus dos Passos, em Florianópolis

PROGRAMA

O Instante da Prece

Todos os dias, às 18h, na Rádio Guarujá AM 1420, de Florianópolis

PROGRAMA

Mensagem de Vida e Esperança

De segunda a sexta, às 06h30, e sábado, às 08h30, na Rádio Guarujá AM 1420 , de Florianópolis

Matéria publicada na edição da Revista de Verão 2017, da Arquidiocese de Florianópolis, página 14.

Edições CNBB disponibiliza cifras e partituras para a CF 2017

Edições CNBB disponibiliza cifras e partituras para a CF 2017

Material para auxiliar músicos das comunidades poderá ser baixado gratuitamente

As cifras e partituras dos cantos da Campanha da Fraternidade 2017 (CF 2017) e da Quaresma deste ano estão disponíveis gratuitamente no site da editora Edições CNBB. Os interessados poderão fazer o download do arquivo com todas as músicas do CD cuja primeira música é o Hino Campanha da Fraternidade 2017, de autoria de padre José Antônio de Oliveira e Wanderson Freitas.

cf2017-partituras

 

A Campanha da Fraternidade deste ano propõe o tema “Fraternidade: Biomas brasileiros e a defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação (Gn2,15)”. O CD possui 24 faixas com o hino, três músicas inéditas relacionadas à temática da CF, os cantos para a Quaresma – Ano A e partes fixas da Missa, como ato penitencial, Santo, aclamações da Oração Eucarística, Eis o Mistério da Fé, Amém e Cordeiro de Deus. Todas as cifras estão disponíveis no arquivo PDF que poderá ser baixado no site da editora após cadastro. No encarte do CD estão impressas as partituras de cada música.

Cultivar e guardar a criação

A proposta da CF 2017 é dar ênfase à diversidade de cada bioma brasileiro e criar relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles habitam, especialmente à luz do Evangelho. É o que sustenta o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Ulrich Steiner. Para ele, a depredação dos biomas é a manifestação da crise ecológica que pede uma profunda conversão interior. “Ao meditarmos e rezarmos os biomas e as pessoas que neles vivem sejamos conduzidos à vida nova”, afirma.

Ainda de acordo com dom Leonardo, a Campanha deseja, antes de tudo, que o cristão seja um cultivador e guardador da obra criada. “Cultivar e guardar nasce da admiração! A beleza que toma o coração faz com que nos inclinemos com reverência diante da criação. A campanha deseja, antes de tudo, levar à admiração, para que todo o cristão seja um cultivador e guardador da obra criada. Tocados pela magnanimidade e bondade dos biomas, seremos conduzidos à conversão, isto é, cultivar e a guardar”, salienta.

Coleções de cantos da CF

No site da CNBB há uma coletânea de partituras dos hinos e alguns cantos de várias edições da Campanha da Fraternidade, desde 1966.

 

Fonte: http://www.edicoescnbb.com.br/