Manto de Nossa Senhora dos Navegantes coloca Brasil no livro dos recordes

Manto de Nossa Senhora dos Navegantes coloca Brasil no livro dos recordes

O Brasil entrou para o Guinness World Records, o livro dos recordes, com o maior manto de Nossa Senhora do mundo, o qual foi usado neste ano na Festa de Nossa Senhora dos Navegantes e tinha 1.059,80 metros quadrados.

O manto gigante foi abençoado e utilizado na procissão da 122.ª Festa de Nossa Senhora dos Navegantes, na cidade de Navegantes (SC), em 2 de fevereiro.

Na tradicional procissão, o manto da Virgem foi carregado por cerca de 5 mil devotos e outros 5 mil acompanharam com orações. Depois da procissão, a peça foi dividida em 16 mil pedaços, que foram entregues aos fiéis.

A medição foi realizada na presença de um topógrafo, engenheiros, bombeiros, policiais, fotógrafos, além de moradores da cidade.

O resultado do Guinness, que coloca o Brasil como o primeiro país do mundo a confeccionar um manto gigante, foi publicado em junho. Porém, foi só em 8 de julho, que o anúncio foi feito oficialmente no Santuário de Nossa Senhora dos Navegantes.

Em sua página no Facebook, o Santuário explicou que o manto gigante “foi pensado com muito carinho para a procissão terrestre” de Nossa Senhora dos Navegantes, “para que os devotos pudessem carregar e se sentirem mais próximos do aconchego de Maria”.

A iniciativa, porém, não se encerrou neste ano. A partir de agora, o Santuário de Nossa Senhora dos Navegantes terá um manto gigante todos os anos, para que os devotos possam seguir em procissão cobertos pela Virgem Maria.

Fonte: Aleteia via ACI Digital

Share
Adoção: a fecundidade do casal para além dos aspectos biológicos

Adoção: a fecundidade do casal para além dos aspectos biológicos

A paternidade e a maternidade vão muito além do conceber e gerar biologicamente um filho. No entanto, essa compreensão nem sempre é alcançada pelas famílias. Ou por já terem gerado ou por passarem pela angústia da infertilidade, muitos casais não chegam a considerar a possibilidade da adoção como uma experiência real para si.

Para além dos aspectos biológicos, adotar é gerar um filho primeiramente na própria alma. É conceber a partir da compaixão pelo outro (a criança adotada), correspondendo o movimento próprio do amor conjugal: a abertura à vida! Sabiamente, São João Paulo II expressou: “Adotar crianças, sentindo-as e tratando-as como verdadeiros filhos, significa reconhecer que as relações entre pais e filhos não se medem somente pelos parâmetros genéticos” (Discurso aos participantes no Encontro Jubilar das Famílias Adotivas promovido pelas Missionárias da Caridade em 05 de setembro de 2000).

Na mesma ocasião o Papa mencionou que na adoção “há uma ‘geração’ que vem através do acolhimento, da atenção, da dedicação”. E que “a relação que daí brota é tão íntima e duradoura, que de maneira nenhuma é inferior à que se funda na pertença biológica”.

Adotar é também uma obra de misericórdia

O Catecismo da Igreja Católica, falando diretamente aos casais que não conseguem ter filhos biológicos, aconselha: “Os esposos a quem Deus não concedeu ter filhos podem, no entanto, ter uma vida conjugal cheia de sentido, humana e cristãmente. Seu Matrimônio pode irradiar uma fecundidade de caridade, acolhimento e sacrifício” (CIC n. 1654).

A adoção responde a pelo menos três ações práticas de obras de misericórdia indicadas pela Igreja: Dar de comer a quem tem fome; dar de beber a quem tem sede; e vestir os nus. “O verdadeiro amor paterno e materno sabe ir além dos laços da carne e do sangue para acolher também crianças de outras famílias, oferecendo-lhes quanto seja necessário para a sua vida e o seu pleno desenvolvimento”, mais uma vez atestou João Paulo II (Encíclica Evangelium Vitae, 93).

Um importante documento que tem orientado os cristãos católicos em diversos âmbitos, reforça: “O amor fraterno se expressa de mil maneiras, mas a adoção é um gesto de profundo humanismo, sensibilidade, coragem e, portanto, uma alta forma de caridade, um gesto de fineza e profundidade humanitária” (Artigo “Família e Questões Relevantes” no Documento de Aparecida).

Os dados da adoção no Brasil

Estima-se que em todo o país há cerca de 8.700 crianças e adolescentes disponíveis para a adoção, e mais de 43 mil famílias cadastradas para adotar. Os dados são do Cadastro Nacional de Adoção (CNA), divulgados no mês de maio de 2018.

O CNA aponta que nos últimos 10 anos mais de 9 mil adoções foram realizadas no Brasil, e que neste ano, entre janeiro e maio, 420 crianças ganharam o direito de entrar para uma família.

O Estado com maior número de adoções é o Paraná (desde 2016) com 125 adoções de janeiro a maio de 2018, seguido do Estado de São Paulo, em segundo lugar no ranking com 69 crianças adotadas no mesmo período.

Quero adotar. O que devo fazer?

O processo de adoção ganhou agilidade desde 2008 quando o Conselho Nacional de Justiça lançou o Cadastro Nacional de Adoção (CNA), uma ferramenta digital que auxilia os juízes das Varas da Infância e da Juventude na condução dos procedimentos dos processos de adoção em todo o Brasil. Cinco minutos é o tempo necessário para que os magistrados realizem o cadastro de crianças para adoção bem como de familiares adotantes.

No entanto, o processo de adoção segue alguns passos:

1) Procure a Vara de Infância e Juventude do seu município. Lá você terá o conhecimento da documentação necessária para abrir um processo de adoção. Inicialmente leve consigo seus documentos pessoais (RG, CPF) e um comprovante de residência;

2)  Com a ajuda de um defensor público ou de um advogado particular, você terá que preencher uma petição para dar início ao processo;

3)  Na terceira etapa, o casal, obrigatoriamente, deve fazer um curso de preparação psicossocial e jurídica para adoção. Após o término do curso, os futuros pais serão submetidos à avaliação psicossocial com entrevistas e visitas domiciliar. Nessa fase, você pode escolher o perfil de crianças que pretende adotar (sexo, faixa etária, com ou sem irmãos, estado de saúde, etc). O resultado dessas avaliações será encaminhado ao Ministério Público e ao juiz da Vara de Infância;

4)  A partir do laudo da equipe técnica da Vara e do parecer emitido pelo Ministério Público, o juiz dará a sentença. Se o seu pedido for acolhido, seu nome será inserido nos cadastros (estadual e nacional), válidos por dois anos em todo o país. Isso significa que, a qualquer momento, você conhecerá seu filho. O tempo de espera depende muito do perfil de criança escolhido;

5)  A Vara de Infância entra em contato com a família candidata à adoção assim que surgir uma criança com as características predeterminadas. Primeiramente é apresentado ao casal o histórico de vida da criança. Havendo interesse, é agendado um encontro para que todos se conheçam. Depois do encontro, a criança é entrevistada (se for capaz de responder, devido a idade) para dizer se quer ou não conhecer melhor a família.

6) Caso a criança aceite, inicia-se o “estágio de convivência” com visitas monitoradas, visita ao abrigo onde ela mora e pequenos passeios para que possam interagir e criar uma proximidade.

7)  Com uma relação estabelecida positivamente entre a criança e os pretendentes da adoção, inicia-se o processo de guarda provisória, que terá validade até a conclusão da ação. A criança passa a morar com seus pais adotivos enquanto que uma equipe técnica continua monitorando a nova família com visitas periódicas.

8)  Após uma avaliação conclusiva, o juiz profere a sentença de adoção. Um novo registro de nascimento da criança é feito, contendo o sobrenome da família. O filho adotivo passa a ter os mesmo direitos de um filho biológico.

“As famílias cristãs saberão viver uma maior disponibilidade em favor da adoção e do acolhimento de órfãos ou abandonados: enquanto estas crianças, encontrando o calor afetivo de uma família, podem fazer uma experiência da carinhosa paternidade de Deus, testemunhada pelos pais cristãos, e assim crescer com serenidade e confiança na vida, a família inteira enriquecer-se-á dos valores espirituais de uma mais ampla fraternidade”. (João Paulo II. Familiaris Consortio, 41)

Share
Fotos para sensibilizar o rico país que… aborta quase 100% dos bebês Down

Fotos para sensibilizar o rico país que… aborta quase 100% dos bebês Down

Riqueza, segurança, qualidade de vida… e preconceito, eugenia e “exemplo de erradicação” de seres humanos

A fotógrafa islandesa Sigga Ella tem uma tia com síndrome de Down. Isto é muito significativo num país em que o índice de abortos de bebês diagnosticados com a condição se aproxima de 100%.

Para combater o preconceito e a eugenia de que os portadores da síndrome têm sido alvos na rica Islândia, Sigga Ella resolveu produzir uma série de retratos chamada First and foremost I am – “Antes de tudo e mais do que tudo, eu sou”.

síndrome de Down IslândiaSigga Ella – Divulgação

A fotógrafa clicou 21 portadores de síndrome de Down com idades entre 9 meses e 60 anos. O número 21 é simbólico, já que a condição se origina de uma trissomia no cromossomo 21. Ela espera que as fotos ajudem a destacar “a beleza e a diversidade da humanidade” e façam pensar: será que um futuro sem essa diversidade é mesmo desejável?

síndrome de Down IslândiaSigga Ella – Divulgação

O título da série veio de um artigo escrito por Halldora Jonsdottir, uma portadora da síndrome, publicado em um jornal do país. Jonsdottir, de 30 anos, aparece em uma das fotos de Ella. As fotos foram tiradas em 2013 e 2014, estiveram em exposição num museu da capital islandesa, Reykjavik, e depois foram apreciadas em outros museus da Europa.

síndrome de Down IslândiaSigga Ella – Divulgação

Exportando o horror eugenista

O caso islandês chegou a ser citado como “exemplo” num país relativamente vizinho e de nome parecido: a Irlanda. Em janeiro de 2017, o obstetra Peter McParland, diretor do National Maternity Hospital, elogiou a Islândia por alcançar uma quase “erradicação” da síndrome de Down através do aborto e declarou que esse é o “futuro” que aguarda também a Irlanda.

A espantosa e indignante declaração foi feita durante uma conferência na Assembleia Cidadã, um órgão consultivo que produz informes para uso do Parlamento.

Pouco mais de um ano após essa aberrante exposição de eugenia e preconceito, que passou impune e quase indolor, a Irlanda ampliou o assim chamado “direito” ao aborto há poucas semanas, em maio de 2018, mediante referendo popular.

Fonte: Aleteia via Sempre Família

Share
A história do católico que fundou a Copa do Mundo da FIFA

A história do católico que fundou a Copa do Mundo da FIFA

A Copa do Mundo da FIFA é um dos eventos esportivos internacionais mais esperados e estima-se que dezenas de milhões de telespectadores assistam a edição de 2018. O que poucos sabem é que um católico francês fundou este campeonato.

Trata-se de Jules Rimet, nascido em 14 de outubro de 1873 na aldeia francesa de Theuley. Quando era criança, serviu como coroinha na igreja local e, aos dez anos, mudou-se a Paris, pois a sua família estava procurando uma oportunidade de ter uma melhor qualidade de vida em meio à crise econômica.

Segundo informou o ‘Catholic Herald’, quando em 1891 o Papa Leão XIII lançou a sua encíclica “Rerum Novarum”, o jovem Rimet e seus amigos se sentiram questionados pela preocupação do Pontífice ante a miséria na qual viviam as classes trabalhadoras e pela falta de reformas trabalhistas.

Inspirados pelo texto, o rapaz e seus companheiros fundaram uma organização para oferecer assistência social e médica aos mais pobres. Mesmo já tendo se tornado um exitoso advogado, Rimet continuou fazendo obras de caridade.

O jovem francês também adorava os esportes e tinha a firme convicção de que eles uniam as pessoas, independente da raça e da classe social. Aos 24 anos, fundou um clube esportivo chamado “Red Star”, aberto a qualquer pessoa, independentemente da sua situação econômica.

“Os homens poderão se reunir com confiança, sem ódio em seus corações e sem insultos em seus lábios”, costumava dizer quando compartilhava a sua visão dos esportes.

Naquela época, o futebol ainda era desprezado, pois era considerado um esporte da classe baixa e dos ingleses. Entretanto, Rimet decidiu incluí-lo no seu clube.

Em 1904, o advogado francês ajudou a fundar a Fédération Internationale de Football Association (Federação Internacional de Futebol ou FIFA). Quis organizar um campeonato internacional, mas o início da Primeira Guerra Mundial atrasou os seus planos.

Rimet participou da frente de batalha durante quatro anos e foi premiado com a Cruz de Guerra, uma condecoração militar francesa concedida àqueles que se destacaram por seus atos de heroísmo.

Após o fim da guerra, Rimet se tornou presidente da FIFA em 1921 e permaneceu durante 33 anos no cargo, o período de mandato mais longo na história da federação.

 

Seus ideais sobre o esporte o motivaram a criar em 1928 a Copa do Mundo, que foi disputada dois anos depois pela primeira vez no Uruguai. Jules Rimet levou à América do Sul o troféu que recebeu o seu nome até 1970, quando o desenho da taça foi modificado pelo que é entregue atualmente.


Taça Jules Rimet / Foto: Flickr Revolweb (CC BY-SA 2.0)

O advogado católico liderou a FIFA até 1954 e, em 1956, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz, por ter fundado a Copa do Mundo.

Rimet faleceu na França em 1956, aos 83 anos.

No livro “Uma História do Futebol em 100 Objetos”, Yves Rimet, seu neto, recordava-o como um “humanista e idealista, que acreditava que o esporte podia unir o mundo. Comparado com as pessoas da sua época, ele percebeu que para ser realmente democrático e envolver as massas, o esporte internacional deveria ser profissional”.

Em entrevista ao jornal ‘The Independent’ em 2006, Yves afirmou que o seu avô “ficaria decepcionado ao ver que, atualmente, o futebol se converteu em um negócio dominado pelo dinheiro. Essa não era a sua visão”.

Fonte: ACI Digital

Share
Conheça 13 craques católicos que estão na Copa da Rússia

Conheça 13 craques católicos que estão na Copa da Rússia

Eles fazem questão de demonstrar a fé para o mundo inteiro

A Copa do Mundo 2018 já está aí. E muita gente quer escalar o time dos sonhos – com alguns substitutos, por via das dúvidas – que vai entrar em campo para colocar sua nação no caminho da glória do futebol.

Além do talento no campo, alguns jogadores se destacam pela fé que eles demostram e o desejo de compartilhá-la com o mundo inteiro. E são várias as formas de que eles se utilizam para fazer isso: em declarações públicas, fazendo peregrinações ou ajudando instituições de caridade. Em qualquer uma delas, esses jogadores sabem quem é a verdadeira fonte de inspiração (em campo e fora dele).

Veja as fotos abaixo para conhecer esses atletas talentosos e o papel que a religião tem em suas vidas.

NOTA: Embora a Itália não tenha chegado à Copa da Rússia, estamos dando uma menção especial ao notável goleiro Gianluigi Buffon, por sua participação em cinco Copas do Mundo consecutivas – de certa forma, ele “está” na Copa da Rússia também, já que o povo italiano é tão apaixonado por futebol quanto o brasileiro! Forza Italia!

Lionel Messi, Argentina

O atacante disse que, se a Argentina ganhar a Copa, ele fará uma peregrinação de 50 quilômetros até o Santuário de San Nicolás, em sua terra natal. O jogador tem uma grande tatuagem de Jesus em seu braço direito.

 

 

Sergio Aguero, Argentina

O atacante vai se juntar a Messi na peregrinação, mas acrescentou um desafio: ambos vão correr a distância até San Nicolas.

 

 

Manuel Neuer, Alemanha

O goleiro apoia um grupo católico que ajuda a combater a pobreza infantil e um grupo de jovens liderado por frades capuchinhos.

 

 

James Rodriguez, Colômbia

O meia-atacante tem uma tatuagem de Jesus em sua canela e sempre compartilha nas redes sociais que seu sucesso é dedicado a Deus.

 

 

Jakub Błaszczykowski, Polônia

Quando criança, a tragédia atingiu este meia. O pai dele assassinou a sua mãe, mas ele permanece firme na fé e foi embaixador da Jornada Mundial da Juventude em 2016.

 

 

Cristiano Ronaldo, Portugal

O craque costuma rezar antes dos jogos, coleciona rosários enviados pelos fãs e, ao contrário de muitos jogadores, não faz tatuagens porque é um exímio doador de sangue.

 

 

Andres Iniesta, Espanha

Antes da Copa do Mundo de 2010, o meia prometeu que, se a sua equipe vencesse, ele faria uma peregrinação pelo Caminho de Santiago de Compostela.

 

 

Sergio Ramos, Espanha

O zagueiro e capitão da seleção espanhola tem uma tatuagem da Virgem Maria no braço esquerdo.

 

 

Gianluigi Buffon, Itália

O goleiro de 40 anos fez uma peregrinação a Medjugorje, na Bósnia, depois da Eurocopa 2012.

 

 

Radamel Falcao, Colômbia

O atacante é muito devoto, estuda a Bíblia e reza antes de cada jogo. Costuma envolver os companheiros nestes estudos.

 

 

Olivier Giroud, França

O atacante católico tem uma tatuagem do Salmo 23 (em latim): “O Senhor é meu pastor, nada me faltará”. Ele já disse várias vezes que religião lhe traz paz.

 

 

Vedran Corluka, Croácia

Fugindo de sua terra natal, a Bósnia, durante a guerra, o meia voltou ao seu país para ajudar a financiar e reconstruir a igreja da vila em que ele morava. Ele também usa uma pulseira com ícones católicos.

 

Edinson Cavani, Uruguai

Em uma entrevista, o atacante disse que se considera “um atleta de Cristo”. Ele explicou “Eu jogo para Ele, para dar-lhe glória, para agradecer a Ele por me dar a habilidade de jogar futebol”.

 

 

Fonte: Aleteia

 

 

 

 

Share
A oração do Papa pela Indonésia depois de ataques contra igrejas

A oração do Papa pela Indonésia depois de ataques contra igrejas

O Papa Francisco lançou um apelo, depois da oração do Regina Coeli neste domingo (13/05) para que cessem as ações violentas na Indonésia. São palavras que chegam depois dos graves ataques contra algumas igrejas católicas no país que causaram a morte de pelo menos 10 pessoas e mais de 40 feridos.

Queridos irmãos e irmãs, estou particularmente próximo do querido povo da Indonésia, especialmente das comunidades cristãs da cidade de Surabaya, que foram gravemente atingidas pelo grave ataque contra locais de culto. Elevo minha oração pelas vítimas e seus parentes. Juntos, invoquemos o Deus da paz para que faça cessar essas violentas ações, e no coração de todos encontrem espaço não sentimentos de ódio e violência, mas de reconciliação e de fraternidade.

Reivindicação do EI

O chamado Estado Islâmico (EI) reivindicou os ataques suicidas contra as três igrejas na Indonésia. O presidente do país, Joko Widodo, falou de “ato bárbaro” e pediu à polícia que encontre imediatamente os responsáveis pelas ações violentas.

Entre os agressores também uma mulher com filhos pequenos

Segundo a polícia indonésia, entre os agressores havia também uma mulher que se fez explodir com seus dois filhos pequenos. Outras fontes também falam do envolvimento de uma segunda mulher em outra das três explosões, enquanto em um vídeo se pode ver um homem em uma motoneta entrando em um pátio da igreja e depois explodir. Fontes oficiais informaram que os “Kamikazes” pertenciam todos à mesma família.

Novo atentado

Entretanto, na manhã desta segunda-feira dez pessoas ficaram feridas em um novo ataque a bomba na cidade indonésia de Surabaya, após os ataques de ontem contra três igrejas: os agressores explodiram uma moto-bomba contra a sede da polícia local, ferindo 4 agentes e seis civis, segundo o porta-voz das forças de segurança.

A bomba foi detonada por duas pessoas, um homem e uma mulher, que estavam a bordo de uma
moto. As imagens das câmeras de segurança mostram a polícia que para a moto em frente à entrada da central de polícia, antes da explosão. Segundo notícias não confirmadas, as duas pessoas na moto tinham consigo também uma criança.

O Presidente indonésio Joko Widodo pediu ao parlamento para aprovar uma revisão da lei antiterrorismo em vigor, após a série de ataques que ensanguentou o país. “Peço à Câmara dos Representantes e ao Ministérios responsáveis que revejam as medidas de combate ao terrorismo,
apresentadas em fevereiro de 2016, e concluir o processo o quanto antes”. “Esta lei é um importante guarda-chuva legal que permite à polícia adotar medidas fortes para evitar ações terroristas”, afirmou. O presidente também anunciou a intenção de promulgar um decreto em caso da não aprovação da lei até junho.

Fonte: Vatican News

Share
5 lições que mulheres só aprendem depois que viram mães

5 lições que mulheres só aprendem depois que viram mães

Mesmo sem querer, os filhos têm muito a ensinar às mães sobre virtudes, habilidades e sentimentos que elas carregam.

Os pais são os principais educadores de uma criança, mas há coisas que somente um filho é capaz ensinar, mesmo sem querer. Por isso, a maternidade é um caminho de aprendizado e vivências únicas, pois há coisas que as mulheres só compreendem após se tornarem mães. Estas são algumas delas:

1. Conhecer o verdadeiro significado do amor

O amor por um filho é inexplicável. É um amor transparente, sem egoísmo ou ambição pessoal. Por causa desse amor, uma mãe desafia suas próprias capacidades e pode realizar atos heroicos para proteger seus filhos.

2. Ser forte

Há dias difíceis, cansativos, em que a mãe não tem um minuto para pensar em si mesma. Mesmo assim, ela não se rende, porque a maternidade a faz mais forte e lhe dá a capacidade de lutar pela família e a ensina a buscar forças onde parece impossível, a perdoar, a aceitar e a seguir adiante, porque um filho merece o melhor e por ele a mãe faz o impossível.

3. Dar tudo sem esperar nada

Desde a gravidez a mulher se entrega àquela vida em formação e, quando o filho, nasce a mãe passa a viver por ele. Ela passa noites em claro, cuida do bebê, ajuda o filho nas tarefas escolares, está ao lado dele quando chora por ter perdido seu primeiro amor. O amor materno sempre se entrega de forma desinteressada.

4. O valor das pequenas coisas

Não há dúvida de que um filho faz a mulher ver a vida de um modo diferente. A mãe valoriza mais um simples olhar, um abraço, um sorriso, a brincadeira com o filho, uma tarde ensolarada de domingo com os pequenos. Todos esses momentos dão sentido à vida da mãe. Para ela, chegar em casa todos os dias e ser recebida pelo filho, estar presente em seus momentos de vitórias e conquistas ou simplesmente receber um ligação de um filho que está longe de casa são motivos de felicidade.

5. Descobrir habilidades desconhecidas

Paciência, autocontrole, criatividade. A maternidade faz as mulheres descobrirem que são mais capazes do que julgavam ser e as ajuda a desenvolver outras habilidades que estavam escondidas. Em outras palavras, a maternidade faz as mulheres serem pessoas melhores.

Fonte: Aleteia via Sempre Família

Share
10 conselhos de São Francisco Sales para amar a Deus

10 conselhos de São Francisco Sales para amar a Deus

Nascido em 1567 numa nobre família de barões, Francisco de Sales recebeu de seus pais uma educação cristã. O seu nome lhe foi atribuído pela devoção, nutrida pelo pai e pela mãe, a São Francisco de Assis. Quando foi para a universidade, estudou teologia, filosofia e retórica com os padres Jesuítas. Aos 24 anos, após concluir seus estudos, conseguiu trabalho como senador e sua família lhe arrumou uma bela e rica noiva para contrair as núpcias.
Francisco tinha uma carreira brilhante pela frente e uma vida confortável. Mas não era às coisas do mundo que ele queria se dedicar. Como sacerdote, ele trabalhou com afinco para converter almas para Deus. Distribuía folhetos combatendo heresias e apresentando as verdades sobre a Igreja. Foi um incansável diretor espiritual de muitos que queriam crescer na amizade com Deus.

O jovem padre logo chegou a Bispo de Genebra. Fundou escolas, catequizou adultos e crianças e fundou uma Congregação Religiosa – a Ordem da Visitação – num trabalho em conjunto com outra importante santa, Madre Joana de Chantal.
São Francisco de Sales sabia proferir palavras que tocavam profundamente os corações, inclusive de pessoas da alta nobreza. Ele se dedicou com profusão a escrever livros que marcam a história da evangelização e o tornaram Doutor da Igreja. Entre suas obras, destacamos “Tratado do Amor a Deus” onde ele propõe que “a medida de amar a Deus é amá-lo sem medida”; e “Filoteia – introdução à vida devota”, um livro dedicado àqueles que querem crescer na amizade com Deus. E é dessa obra que transborda em graças que coletamos 10 conselhos de São Francisco de Sales para melhor amarmos a Deus. Abra seu coração e permita-se ao amor.

Busque sempre purificar teu coração
“Nenhum outro motivo devemos ter em nossas intenções e ações além do de agradar a Deus (…). Aparecem as flores em nossa terra – diz o Esposo sagrado –  chegou o tempo da poda – Que flores são estas para nós, senão os bons desejos? Logo que eles despertam em nossos corações, é preciso envidar todo o esforço para purificá-los de todas as obras mortais e supérfluas. (…)  Ninguém seguiu ainda tão bem o conselho de purificar o coração, como aquele santo penitente que, embora já fosse lavado de suas iniquidades, pedia sempre de novo a Deus, durante a sua vida, que o lavasse sempre mais desses pecados”.

Procure ter o acompanhamento de um diretor espiritual
O diretor espiritual “será para nós um tesouro de sabedoria para evitar o mal e praticar o bem de uma maneira mais perfeita; ele nos dará conforto para aliviar-nos em nossas quedas e nos dará o remédio mais necessário para a cura perfeita de nossas enfermidades espirituais. (…) Suplica a Deus um diretor espiritual e, quando o achares, agradece à Divina Majestade; persevera então em tua escolha, sem ir procurando outros; caminha para Deus com toda a simplicidade, humildade e confiança”.

Combata com coragem tuas imperfeições
“Por isso não nos devemos perturbar à vista de nossas imperfeições, porque a luta contra elas não pode nem deve acabar antes de nossa morte. A nossa perfeição consiste em combatê-las; mas não as podemos combater e vencer sem que as sintamos e conheçamos; a própria vitória que esperamos conseguir sobre elas, de modo algum consiste em não as sentir, mas exclusivamente em não consentir nelas. Demais, sentir as suas imperfeições não é dar o próprio consentimento; (…) entretanto, só seremos vencidos se perdemos a vida ou a coragem. Ora, as imperfeições e faltas veniais não nos podem tirar a vida espiritual da graça de que só o pecado mortal nos priva; portanto, o que temos que temer aí é a perda da coragem; mas digamos com Davi, a Nosso Senhor: Salvai-me, Senhor, da pusilanimidade e do desânimo. (…) Poderemos vencer sempre, uma vez que queiramos combater.

Pratique a oração para conformar tua vida com a de Cristo
“A oração, fazendo o nosso espírito penetrar na plena luz da divindade e expondo a nossa vontade abertamente aos ardores do amor divino, é o meio mais eficaz de dissipar as trevas dos erros e ignorância que obscurecem a nossa mente e de purificar o nosso coração de todos os seus afetos desordenados. É ela a água da graça, que lava a nossa alma de suas iniquidades, alivia os nossos corações, opressos pela sede das paixões, e nutre as primeiras raízes que a virtude vai lançando, que são os bons desejos. Mas o que muito em particular te aconselho é a oração de espírito e de coração e, sobretudo, a que se ocupa da vida e paixão de Nosso Senhor: contemplando-o, sempre de novo, pela meditação assídua, tua alma há de por fim encher-se dele e tu conformarás a tua vida interior e exterior com a sua”.

Conviva com os Anjos
“Sendo pelo ministério dos anjos que muitas vezes recebemos as inspirações de Deus, é também por meio deles que lhe devemos apresentar as nossas aspirações (…). Procura uma familiar convivência de tua alma com os anjos, lembrando-te muitas vezes de sua presença; ama e venera, sobretudo, o anjo da diocese onde estás, os das pessoas com quem vives e em especial o teu próprio. Reza a eles de vez em quando, bendize a Deus por eles, implora-lhes a proteção em todos os negócios espirituais e temporais, para que auxiliem as tuas intenções”.

Busque o auxílio dos Santos
“Devemos apresentar nossas aspirações, não menos que por meio dos santos e santas, que, como Nosso Senhor disse, sendo agora semelhante aos anjos na glória de Deus,  lhe apresentam de contínuo as suas orações e desejos em nosso favor. Escolhe um santo em cuja intercessão deponhas especial confiança e cuja vida possas ler com maior gosto para lhe imitar as virtudes”.

Ouça com proveito a Palavra de Deus
“Deves ter um gosto especial em ouvir a Palavra de Deus, mas ouve-a sempre com atenção e respeito, quer no sermão, quer em conversas edificantes dos teus amigos que gostam de falar de Deus. É a boa semente, que não se deve deixar cair em terra. Aproveita-te bem dela; recebe-a no teu coração como um bálsamo precioso, à imitação da Santíssima Virgem, que conservava no seu peito, cuidadosamente, tudo o que ouvia dizer de seu divino Filho, e lembra-te sempre que Deus não ouvirá favoravelmente as nossas palavras na oração se não tirarmos proveito das suas nos sermões.

Busque regularmente o sacramento da confissão e procure corrigir teus erros
“Nosso Senhor instituiu na sua Igreja o sacramento da penitência ou confissão para purificar as nossas almas das suas culpas, todas as vezes que se acharem manchadas. Nunca permitas que teu coração permaneça muito tempo contaminado pelo pecado, tendo um remédio tão eficaz e simples contra a sua corrupção. (…) Conserva sempre uma verdadeira dor dos pecados  confessados, por menores que sejam, e uma firme resolução de corrigires-te. Pessoas há que se confessam dos pecados veniais só por um certo hábito que lhes agrada e sem pensar em corrigir-se e por isso não se livram deles e se privam de muitas graças necessárias para o seu progresso espiritual”.

Tenha como meta a humildade e a mansidão
“A mansidão e a humildade, duas virtudes tão caras ao divino Coração de Jesus e que Ele nos recomendou expressamente, dizendo-nos: Aprendei de mim, que seu manso e humilde de coração; como se unicamente por amor destas duas virtudes quisesse consagrar o nosso coração ao seu serviço e aplicá-lo à imitação de sua vida. A humildade aperfeiçoa o homem em seus deveres para com Deus; e a mansidão, em seus deveres para com a sociedade humana. (…) A humildade verdadeira e a mansidão sincera são esplêndidos preservativos contra o orgulho e a ira que as injúrias costumam excitar em nós”.

Alcance a perfeição espiritual por meio da caridade
“A verdadeira devoção, pressupõe o amor de Deus, ou melhor, ela mesma é o mais perfeito amor a Deus. Esse amor chama-se graça, porque adereça a nossa alma e a torna bela aos olhos de Deus. Se nos dá força e vigor para praticar o bem, assume o nome de caridade. E, se nos faz praticar o bem frequentemente, pronta e cuidadosamente, chamava-se devoção e atinge então ao maior grau de perfeição. (…) A devoção não é nada mais do que uma agilidade e viveza espiritual, da qual ou a caridade opera em nós, ou nós mesmo, levados pela caridade, operamos todo o bem que somos capazes.  (…) A caridade é o fogo espiritual da alma, o qual, quando se levanta em labaredas, tem o nome de devoção, de sorte que a devoção nada acrescenta, por assim dizer, ao fogo da caridade além dessa chama, pela qual a caridade se mostra pronta, ativa e diligente na observância dos mandamentos de Deus e na prática dos conselhos e inspirações celestes”.

Share
O exemplo de Santa Ana e São Joaquim e a importância da presença dos avós em nossas vidas

O exemplo de Santa Ana e São Joaquim e a importância da presença dos avós em nossas vidas

Sabemos que São Joaquim e Santa Ana são os pais de Nossa Senhora. Eles são, portanto, como os nossos avós espirituais, já que Nossa Senhora é nossa mãe. Em um tempo no qual tudo aquilo que é antigo parece ser inútil, no qual o respeito pelos mais velhos parece ser uma virtude ultrapassada, no qual os avós muitas vezes se sentem invisíveis na família ou como um fardo a mais que talvez fosse melhor não existir, não surpreende muito que esses dois santos não sejam dos mais celebrados. Mas não será isso um sinal também de alerta? Qual a importância da presença dos avós em nossas vidas?

Vivemos em uma cultura que parece valorizar cada vez mais o descartável. Minha avó sempre disse que as coisas antigamente eram feitas para durar. De fato, no seu apartamento está um relógio que é muito antigo e que ainda funciona perfeitamente. As geladeiras facilmente duravam trinta anos sem muita necessidade de conserto. Hoje em dia, tudo se troca muito rapidamente. O novo é o melhor parece ser o slogan da cultura de hoje. Ter um celular ultrapassado equivale, mais ou menos, a ser menos digno, ser menos pessoa. É justamente aqui que precisamos voltar a valorizar os nossos avós.

Eles são, antes de qualquer coisa, pessoas humanas. São Filhos de Deus. E essa é a sua dignidade. Assim como essa é a dignidade de todas as outras pessoas marginalizadas em nossa sociedade que parecem não encaixar no modelo que hoje se tem de aceitável. E no fundo, essa mesma é a dignidade também daqueles que se encaixam na sociedade e que muitas vezes colocam seu valor e sua esperança em outras coisas que não lhes dão muito mais do que um status social diferenciado e que passa muito rapidamente. É preciso resgatar o valor da pessoa humana, um bem em si mesmo, desde a concepção até o fim de sua vida.

Por outro lado, existe ainda uma outra razão importante para olharmos com carinho por nossos avós. Eles são o poço de sabedoria que encarnam em suas vidas aquilo que nós somos, nossa identidade. Nós somos filhos de um local específico, de um modo de pensar, de hábitos sociais, de maneiras de conviver que não nasceram comigo, mas que eu herdo dos mais velhos. E isso está expresso em sua maturidade nos nossos avós. Inclusive se não concordamos com muitas coisas que vivemos hoje, é preciso sentar ao lado dos avós e beber de sua sabedoria de vida para poder entender de onde vêm essas coisas e como podemos ser mais autenticamente aquilo que somos e que estamos perdendo.

Falar pouco de Santa Ana e de São Joaquim pode ser a manifestação de que também nós estamos inseridos nessa cultura do descartável que apenas olha para o novo sem perceber que por baixo dele muitas outras coisas aconteceram para que ele fosse possível. É não perceber também que se não nos apoiamos naquilo que somos, que herdamos dos avós, da Tradição da Igreja por exemplo, ficamos sem saber para onde ir e podemos acabar destruindo muita coisa boa que foi feita porque não conseguimos mais discernir o que é bom e o que é ruim. Por tudo isso, vale a pena passar um café e ir, com paciência, sentar ao lado do vovô e da vovó para bater aquele papo demorado e muito importante.

 

Por: Ir. João Antônio Johas Leão, via A12.com

Fonte: Aleteia

 

 

 

 

Share
Charlie Gard: Outorgam cidadania permanente nos Estados Unidos a ele e a sua família

Charlie Gard: Outorgam cidadania permanente nos Estados Unidos a ele e a sua família

A Câmara dos Representantes aprovou outorgar a cidadania permanente ao bebê Charlie Gard e a sua família nos Estados Unidos, para prosseguir o tratamento experimental à doença que sofre e que atraiu a atenção do mundo inteiro.

“Acabamos de aprovar uma lei que outorga a cidadania permanente a #CharlieGard e sua família para que Charlie possa receber o tratamento médico que requer”, tuitou em sua conta o congressista Jeff Fortenberry no dia 8 de julho.

Charlie foi diagnosticado com síndrome de esgotamento mitocondrial, uma doença genética rara que se acredita que afeta apenas 16 crianças em todo o mundo. A doença causa fraqueza muscular progressiva e pode causar a morte durante o primeiro ano de vida.

Os pais de Charlie, Chris Gard e Connie Yates, inicialmente buscaram levar seu filho aos Estados Unidos para o tratamento experimental e arrecadaram mais de um milhão de dólares para cobrir os custos médicos e da viagem.

Entretanto, o hospital buscou bloquear seu pedido, alegando a pouca qualidade de vida do bebê. O Tribunal Superior da Grã-Bretanha se expressou a favor do centro médico, indicando que a terapia experimental poderia causar sofrimento e apenas prolongaria o processo da morte.

Os pais apelaram a decisão diante do Tribunal europeu de Direitos Humanos e, após o rechaço da medida, o hospital pediátrico do Vaticano, como o Papa Francisco, expressaram seu apoio a Charlie.

“O Santo Padre acompanha com afeto e emoção o caso do pequeno Charlie Gard e manifesta a sua proximidade aos seus pais”, lê-se em um comunicado de 2 de julho, publicado pelo porta-voz do Vaticano, Greg Burke.

“Ele reza por eles, fazendo votos de que não seja negligenciado o seu desejo de acompanhar e cuidar do próprio filho até o fim”, assinalou.

Em 30 de junho, dia que estava programado para que o suporte vital de Charlie fosse retirado, o Papa usou seu conta no Twitter para enviar uma clara mensagem pró-vida a favor do bebê: “Defender a vida humana, sobretudo quando está ferida pela doença, é um dever de amor que Deus confia a todos”.

Depois de um pedido assinado por mais de 500 mil pessoas na plataforma internacional pró-vida CitizenGo, Michio Hirano, o médico norte-americano cujo tratamento experimental foi buscado pelos pais de Charlie Gard, viajou no dia 17 de julho a Londres, Reino Unido, após um juiz determinar que poderia examinar o bebê e conversar com os médico britânicos responsáveis pela saúde do pequeno.

Em 14 de julho, o especialista em doenças mitocondriais e miopatias genéticas aceitou viajar para examinar Charlie pessoalmente, no hospital Great Ormond Street.

Fonte: ACIdigital

Share