Imagem de Nossa Senhora terá coroa e mantos especiais para os 300 anos de Aparecida

Imagem de Nossa Senhora terá coroa e mantos especiais para os 300 anos de Aparecida

Já estão prontos os mantos especiais que serão colocados na imagem da padroeira do Brasil durante as comemorações dos 300 anos de Aparecida. Eles foram belamente confeccionados por religiosas do Carmelo de Santa Teresinha, que também fica na cidade de Aparecida, São Paulo.

Depois de rezarem a oração jubilar dos 300 anos, as irmãs entregaram dois mantos ao prefeito de Igreja do Santuário Nacional, Pe. Eduardo Ribeiro.

A confecção dos mantos levou 30 dias e foi feito por três religiosas. O resultado não poderia ser melhor. Os bordados fazem referências aos pescadores que encontraram a imagem da Virgem no Rio Paraíba do Sul, em 1717.

A Irmã Teresa Margarida do Coração de Jesus contou ao portal A12 que, para fazer o bordado, inspirou-se em uma canção de Nossa Senhora, cuja letra diz “nas curvas de um M, no rio brasileiro, Maria aparece à luz do Cruzeiro”.

Para as religiosas, é motivo de alegria poder colaborar todos os anos na festa da Padroeira com a confecção dos mantos. “É um pouquinho de nós, do nosso trabalho que a gente oferta para Nossa Senhora”, completou Ir. Teresa.

A Coroa Jubilar

A Coroa Jubilar de Nossa Senhora Aparecida, que também será usada na festa dos 300 anos, foi desenvolvida pela joalheria H.Stern e apresenta, além das cores da bandeira do Brasil, símbolos que remetem à natureza brasileira e também a Nossa Senhora Aparecida.

O Santuário coletou terra em todos os estados brasileiros e colocou pequenas porções do material dentro da coroa.

“Nós queremos lembrar todo o povo brasileiro, que somos feitos da terra, por isso somos frágeis, e se somos frágeis precisamos de cuidados, somos cuidados por Deus. Ele coloca mediações para cuidar de nós e Maria é uma dessas mediações”, disse o missionário redentorista, Pe. Rodrigo Arnoso.

Fonte : Aleteia

Share
Bispos do México anunciam coleta por danificados por terremoto

Bispos do México anunciam coleta por danificados por terremoto

Os Bispos da Conferência Episcopal Mexicana (CEM) anunciaram a realização de uma coleta nacional em 23 e 24 de setembro, a favor das vítimas do terremoto de magnitude 7, 1, que provocou a morte de mais de 200 pessoas.

Em um comunicado publicado em seu site, os prelados mexicanos incentivaram a solidariedade, “através de uma coleta econômica, que podemos promover em nossas dioceses e comunidades. Sugerimos que se realize no fim de semana, nos dias 23 e 24 de setembro”.

Os bispos assinalaram que, com a atitude de generosidade dos últimos dias, pode-se constatar que “sem dúvidas que, quando tiramos de um mal a oportunidade de fazer um bem, o nosso coração se renova e cresce”.

“Nós, membros da Igreja Católica que peregrina no México, continuamos em oração e ação em favor das vítimas dos terremotos ocorridos em 7 e 19 de setembro, assim como pelas inundações provocadas pelos furacões e que atingiram fortemente grande parte do país , principalmente os Estados de: Morelos, Tlaxcala, Puebla, Guerrero, Oaxaca, Chiapas, Baixa Califórnia Sul, Estado do México e Cidade do México”.

 

Os prelados recordam que a prioridade permanece sendo “o resgate das pessoas presas sob os escombros. Não há dúvida que é belo constatar o apreço pela vida humana, especialmente quando se valoriza e respeita sempre e em todas as suas etapas”.

O trabalho de serviço da Igreja

Os bispos explicaram que “o trabalho coordenado e vinculado da Igreja é muito importante e está sendo realizado com todo o seu empenho, em duas formas”.

Nas dioceses afetadas: bispos, sacerdotes e leigos se organizam para atender de maneiras diferentes a emergência, disponibilizando paróquias e seminários como refúgios e centros de coleta, além de mobilizar outros recursos diocesanos para o cuidado das pessoas e, posteriormente, a reabilitação dos locais eclesiais.

Nas outras dioceses: diversos irmãos bispos de toda a República se solidarizaram, emitindo comunicados diocesanos, encorajando seus fiéis a apoiarem de várias formas, com oração, fazendo coletas especiais nas paróquias e canalizando tudo através de Cáritas Nacional (Mexicana).

“Os sacerdotes e as religiosas, junto com suas comunidades, estão acompanhando espiritualmente e atendendo psicologicamente os necessitados, assim como oferecendo apoio material nos lugares onde há a maior necessidade”, indicaram.

Além disso, os bispos recordaram que, em 19 de setembro, criaram um centro de operações em conjunto com a equipe da Cáritas Nacional para atender esta emergência.

“Continuamos encomendando a Santa Maria de Guadalupe, a quem invocamos como refúgio e auxílio de nosso povo, conscientes de que o seu Filho jamais nos abandona”, concluíram.

Fonte: Acidigital

Share
Os santos mártires da Coreia e sua impactante lição aos católicos leigos

Os santos mártires da Coreia e sua impactante lição aos católicos leigos

É graças aos leigos que a fé em Cristo se implantou e resiste no povo coreano apesar de perseguições devastadoras

A Igreja celebra no dia 20 de setembro os santos André Kim e seus 102 companheiros mártires da Coreia.

Sim, você leu certo: nada menos que 103 mártires, que foram canonizados por São João Paulo II em 1984, durante a sua viagem apostólica à Coreia do Sul.

A peculiar história da fé cristã na Coreia
Hoje estamos tristemente acostumados com a existência de duas Coreias, mas nem sempre foi assim. O país já foi um só. E, na sua história religiosa, a Coreia constitui uma interessantíssima peculiaridade quanto à “modalidade” de evangelização que recebeu: os primeiros missionários do país não eram membros do clero, mas sim leigos!

Enquanto a maior parte do Oriente começou a ser evangelizada por sacerdotes e religiosos enviados em missão pelas suas respectivas ordens, a Coreia viveu um processo diferente. No século XVII, membros da nobreza coreana entraram em contato com o catolicismo durante viagens à China e ao Japão. A fé já tinha criado raízes em ambos aqueles países. Com base no que tinham observado e aprendido sobre o catolicismo em livros escritos em chinês, aqueles nobres coreanos tentaram praticar essa mesma fé recém-descoberta ao retornarem à Coreia. Um deles, Yi Seung-hun, foi batizado em Pequim e voltou para casa em 1784 para fundar uma comunidade cristã. Este é o evento que marca o estabelecimento da Igreja católica na Coreia.

Mas o catolicismo não teve um começo fácil no país. O governo, influenciado pela ideologia do neoconfucionismo, se opôs à fé cristã. A crença católica de que todos os seres humanos possuem dignidade igual era vista como uma ameaça para o sistema hierárquico social. Além disso, era considerado crime ter contato com estrangeiros. Esta lei significava, portanto, que as comunicações entre os católicos coreanos e o vigário apostólico de Pequim eram nada menos que “criminosas”.

As consequências dessa hostilidade a Cristo são fáceis de imaginar – afinal, esse quadro se repete na história desde o próprio Cristo… Estima-se que cerca de 10.000 católicos foram martirizados na Coreia só durante aquela perseguição, que durou mais de 100 anos. Demorou até 1895 para que o país finalmente reconhecesse a liberdade de religião – e ela voltaria a ser suprimida brutalmente na atual Coreia do Norte assim que o regime comunista foi imposto ao sofrido povo daquela nação, persistindo essa realidade até hoje (e com um número de católicos assassinados que ainda não é possível conhecer ao certo).

Foi nesse contexto de perseguição e martírio que nasceu André.

Santo André Kim Tae-Gon
Santo André Kim Tae-Gon nasceu em Solmoe em 1821, de família nobre. Quando ainda era criança, sua família se mudou para Kolbaemasil a fim de fugir da perseguição. Seu pai, Santo Inácio Kim, foi martirizado em 1839.

André foi batizado aos 15 anos e, algum tempo depois, entrou no seminário de Macau, na China. Foi ordenado sacerdote em 1845 em Xangai, tornando-se o primeiro sacerdote católico nascido na Coreia.

Quando voltou à sua terra para tentar facilitar a entrada de missionários no país, reencontrou a mãe mendigando por comida.

Apesar do quadro de extrema adversidade, André se dedicou a difundir a fé cristã na Coreia pregando o Evangelho e batizando as pessoas que se convertiam por intermédio das suas palavras e do seu testemunho.

Por mais que fosse prudente visando não ser descoberto, André acabou preso quando tentou levar missionários franceses da China para a Coreia. Depois de alguns meses no cárcere, ele enfrentou a pena de morte por decapitação em 1846. Enquanto entregava a alma às mãos de Deus e partia rumo ao Seu abraço eterno, Santo André Kim Tae-Gon declarou:

“Minha vida imortal está em seu ponto inicial. Convertam-se ao cristianismo se desejarem a felicidade depois da morte”.
Com ele, os perseguidores ainda executaram outros 102 cristãos, também canonizados pela Igreja por terem morrido mártires em nome de Cristo.

E não são os únicos: em agosto de 2014, durante a sua viagem apostólica à Coreia do Sul, o Papa Francisco ainda beatificaria mais 124 mártires do país: o beato Paulo Yun Ji-chung e seus 123 companheiros.

A história insiste em não aprender que, desde os primórdios da Igreja, “o sangue dos mártires é semente de cristãos“.

 

Fonte: Aleteia

Share

Não rezar pelos políticos é pecado, diz o Papa

“Não podemos deixar os governantes sozinhos: devemos acompanhá-los com a oração”, adverte Francisco

O Papa Francisco celebrou a missa na Capela da Casa Santa Marta, nesta segunda-feira (18/09), e em sua homilia pediu aos cristãos para rezarem pelos seus governantes, não obstante as coisas más que fazem.

O Pontífice pediu também aos governantes para rezar, caso contrário, correm o risco de fecharem-se no próprio grupo. O governante que tem a consciência de ser subalterno ao povo e a Deus, reza.

A reflexão de Francisco parte da Primeira Leitura de hoje e do Evangelho. Na primeira leitura, São Paulo aconselha a Timóteo a rezar pelos governantes. No Evangelho, há um governante que reza: é o oficial romano que tinha um empregado que estava doente. Amava o povo, não obstante fosse estrangeiro, e amava o empregado, pois, de fato, se preocupava.

“Este homem sentiu a necessidade de rezar”, disse o Papa. Não somente porque amava, mas também porque “tinha a consciência de não ser o patrão de tudo, de não ser a última instância”. Sabia que acima dele, há outro que comanda. Havia subalternos, soldados, mas ele também estava na condição de subordinado. E isso o levou a rezar.

“O governante que tem essa consciência, reza. Se não reza, fecha-se na própria “autorreferencialidade” ou na de seu partido, naquele círculo do qual não se sai. É um homem fechado em si mesmo. Porém, quando vê os problemas verdadeiros, tem a consciência de ser subalterno, que existe outro que tem mais poder que ele. Quem tem mais poder do que o governante? O povo, que lhe deu o poder, e Deus, do qual vem o poder através do povo. Quando um governante tem a consciência de ser subordinado, reza.”

O Papa Francisco ressaltou a importância da oração do governante, “porque é a oração para o bem comum do povo que lhe foi confiado”.

Recordou, a esse propósito, a conversa com um governante que todos os dias passava duas horas em silêncio diante de Deus, não obstante tivesse muitos afazeres. É preciso pedir a Deus a graça de governar bem como Salomão que não pediu a Deus ouro ou riquezas, mas sabedoria para governar.

Os governantes, diz Francisco, devem pedir ao Senhor essa sabedoria. “É tão importante que os governantes rezem” – reitera – pedindo ao Senhor que não cancele a “consciência de ser subalterno” a Deus e do povo: “que a minha força esteja ali e não no pequeno grupo ou em mim”.

E a quem poderia se opor dizendo ser agnóstico ou ateu, o Papa diz: “Se você não pode rezar, confronte-se”, “com a sua consciência”, com “os sábios do seu povo”, mas “não fique sozinho com o pequeno grupo do seu partido”, ressalta. “Isto – reitera – é ser auto-referencial”.

Na primeira leitura, Paulo convida a rezar pelos reis, “para que – afirma – possamos levar uma vida calma, pacífica, digna e dedicada a Deus”. Francisco observa que, no entanto, quando um governante faz algo que não gostamos, ele é criticado ou, de outra forma, louvado. É deixado sozinho com o seu partido, com o Parlamento”:

“’Não, eu o votei – eu o votei’ – ‘Eu não o votei, problema seu’. Não, não podemos deixar os governantes sozinhos: devemos acompanhá-los com a oração. Os cristãos devem rezar pelos governantes. “Mas, Padre, como vou rezar por ele que faz tantas coisas ruins?”. Ele precisa mais do que nunca da oração. Reze, faça penitência pelo governante. A oração de intercessão – isso é tão bonito que Paulo diz – é para todos os reis, para todos aqueles que estão no poder. Por quê? “Porque podemos levar uma vida calma e tranquila”. Quando o governante é livre e pode governar em paz, todo o povo irá se beneficiar disso”.

E o Papa conclui pedindo que se faça um exame de consciência sobre a oração pelos governantes:

“Peço-lhes um favor: cada um de vocês pegue hoje cinco minutos, não mais. Se você é um governante, se pergunte: “Eu rezo por aquele que me deu o poder através do povo?” Se não é um governante, “rezo pelos governantes? Sim, por esse e por aquele sim, porque gosto deles; por aqueles outros, não”. Esses têm mais necessidade do que os outros! “Rezo por todos os governantes?” E se você perceber, quando faz exame de consciência para se confessar, que não reza pelos governantes, leve isso à confissão. Porque não rezar pelos governantes é um pecado”.

(Rádio Vaticano)

Share
Estado Islâmico mantém sólido apoio na internet, apesar das derrotas militares

Estado Islâmico mantém sólido apoio na internet, apesar das derrotas militares

O grupo Estado Islâmico (EI) conserva uma “sólida base de claros apoios” na internet, apesar das derrotas no militares na Síria e no Iraque, informou a Europol, a agência europeia de polícias.

“Os grupos jihadistas utilizam igualmente pequenas plataformas e fóruns para difundir propaganda terrorista”, afirmou a Europol.

A relativa regressão da propaganda “oficial” do EI no último mês abriu mais espaço para o conteúdo gerado pelos usuários pró-EI, segundo um comunicado da agência com sede em Haia.

“Isto mostra que o EI conserva sua sólida base de claros apoios no entorno virtual da internet”, completa.

A Europol publicou as conclusões após uma sessão de trabalho de dois dias com especialistas da Bósnia-Herzegovina, República Tcheca, Estônia e Hungria sobre a investigação e identificação dos conteúdos publicados on-line pelos grupos jihadistas.

“As organizações jihadistas e seus partidários continuam abusando de diversas plataformas para expandir sua propaganda”, completa a Europol, embora tenham sido obrigadas a “passar para plataformas menores”.

A Grã-Bretanha já anunciou um plano para reprimir o conteúdo extremista na internet após os recentes atentados de Londres e Manchester. A primeira-ministra Theresa May deseja o desenvolvimento de instrumentos para identificar e retirar automaticamente os conteúdos “perigosos”.

O “califado” autoproclamado do EI está muito debilitado pela série de reveses nos campos de batalha no Iraque e na Síria.

(AFP)

Fonte: Aleteia

Share
Encontro aconteceu um dia depois da libertação do sacerdote

Encontro aconteceu um dia depois da libertação do sacerdote

O missionário salesiano indiano, Thomas Uzhunnalil, que estava há mais de um ano e meio sequestrado no Iêmen, foi libertado e viajou para o Vaticano para se encontrar com o Papa Francisco. O Pe. Tom quis agradecer pelo esforço pessoal que o pontífice fez durante esse tempo.

“Em primeiro lugar, expressamos nossa profunda gratidão a Deus, pois esta história terminou de forma positiva. É preciso também agradecer ao governo indiano, por ter empreendido todos os seus esforços pela libertação do Pe. Tom Uzhunnalil […] E ainda temos que agradecer ao esforço pessoal do Papa Francisco, que usou toda a sua influência para a libertação”, disse à agência Fides o secretário geral da Conferência Episcopal da Índia, Thedore Mascarenhas.

O Pontífice recebeu Pe. Tom na sua residência, a Casa Santa Marta. Quando o encontrou, o missionário se ajoelhou diante do Papa, que rapidamente o ajudou a se levantar. Francisco o abraçou e disse que continuará rezando por ele, como fez durante o seu cativeiro. Em seguida, o sacerdote salesiano beijou as mãos do pontífice.

De acordo com o jornal do Vaticano L’Osservatore Romano, durante sua conversa com o Papa, Pe. Tom explicou que sua maior tristeza durante o cativeiro foi não poder celebrar a Eucaristia, “embora todos os dias repetisse dentro de mim, no meu coração, todas as palavras da celebração”, indicou.

Além disso, ele afirmou diante do Papa que, agora que já está livre, continuará “rezando por todos os que estiveram espiritualmente ao meu lado”. Em especial, disse que se lembra das quatro religiosas e dos doze idosos mortos no ataque dos terroristas.

Entenda o caso

Pe. Uzhunnalil foi sequestrado em 4 de março de 2016, depois que um grupo de jihadistas do Estado Islâmico invadiu um asilo de idosos e pessoas com deficiências que era administrado por religiosas das Missionárias da Caridade em Áden, no Iêmen.

Durante a invasão, os terroristas assassinaram quatro religiosas, doze idosos e sequestraram o sacerdote salesiano.

Nesses 18 meses, o mundo inteiro rezou por sua libertação e foram realizadas várias manifestações em prol de sua liberdade. Também foram divulgados vários vídeos, em que os sequestradores mostravam o Pe. Tom fraco, doente e lendo mensagens contra a sua vontade.

Surgiram também vários boatos, inclusive a história de que o padre teria sido crucificado na Sexta-feira Santa.

O Reitor Mor dos salesianos, Pe. Angel Fernández Artime, diz que não sabe se foi realizado algum tipo de pagamento pelo resgate.

Com informações de ACI Digital

Fonte: Aleteia

Share

Mensagem do Pároco

Caríssimos(as) irmãos(as),

Paz e Bem!

Como franciscano é sempre bom iniciar com esta saudação que soa tão bem aos nossos ouvidos, não é mesmo?

Celebramos no mês de Agosto festas em várias comunidades (Morro Mineiro, Mato Francês, Matriz de Angelina, Rio Fortuna e Rancho Queimado). Sempre é bom não perdermos o “ponto inicial” (santa Clara de Assis) da vivência cristã. Vejo que muitos ficam preocupados na preparação da festa de sua comunidade, sendo verdadeira “Marta” e não vivem a contemplação “Maria”, não vão sequer à missa do seu padroeiro e isto me causa preocupação como pastor deste rebanho.

Neste mês, a Igreja Católica no Brasil celebra a Bíblia, fonte inesgotável da nossa fé. Período para exercitarmos a leitura da Palavra de Deus e aprofundarmos seus ensinamentos e acima de tudo, para “falar com Deus”. São Jerônimo ensinava: “Quando rezamos falamos com Deus, quando lemos a bíblia, Deus fala conosco”. Deus tem falado com você, em sua vida?  Na vivência de comunidade?

Gostaria de destacar que já terminamos os 450 metros de corrimãos no caminho da nossa Gruta, estamos na fase final da manutenção do espaço das lojinhas do Santuário e até o final de setembro, teremos a Igreja de Angelina (patrimônio desta paróquia e acima de tudo, instrumento para evangelização que deve ser utilizado com carinho e preservado para uso de todos) pintada e restaurada, tudo para o Louvor à Deus.

Quantas conquistas já conseguimos como comunidade e paróquia e juntos ainda temos muitos a fazer, tanto no campo administrativo e patrimonial como no campo pastoral. Mas “juntos somos sempre mais”. E quando a obra é de Deus e para Deus sempre prospera e cresce… Nem os ventos contrários nos impedirá de anunciar o Reino.

Dia 09 e 10 de Setembro, a Comunidade N. Sra das Dores, Garcia, estará em festa, vamos todos participar deste momento tão importante.

Despeço-me desejando a você e sua família um mês abençoado. Conte com minhas orações sempre.

Frei Paulo Cézar Magalhães Borges

Pároco

 

Share
Papa Francisco parte até a Colômbia em Viagem Apostólica

Papa Francisco parte até a Colômbia em Viagem Apostólica

Papa Francisco embarcou na manhã desta quarta-feira, 06 de setembro, para Bogotá na Colômbia. A chegada está prevista para 18h30, horário de Brasilia.

Na breve cerimônia de boas-vindas no aeroporto o Papa será acolhido pelo Presidente colombiano, Juan Manuel Santos Calderón. Também participam da cerimônia autoridades políticas e civis, bispos e cerca de mil fiéis.

 

Na sequência o Papa se transfere de papamóvel diretamente à Nunciatura Apostólica. Ali, o aguarda um grupo de fiéis, com cantos e danças tradicionais. Na capela, oferecerá flores a Nossa Senhora, concluindo assim seu primeiro dia de viagem.

Até domingo, 10 de setembro, estão previstos 12 discursos em quatro cidades: Bogotá, Villavicencio, Medellín e Cartagena.

O Pontífice declara-se “honrado” em visitar a Colômbia, “terra rica de história, cultura, fé, homens e mulheres que trabalharam com determinação e perseverança para torná-la um local em que reine a harmonia e a fraternidade, em que o Evangelho é conhecido e amado”, disse em carta.

Francisco é o terceiro Papa que visita a Colômbia. Antes dele, Paulo VI em 1968 e João Paulo II em 1986.

Tradição

Um dia antes de partir, como de costume, Francisco foi à Basílica de Santa Maria Maior para rezar diante da imagem da Virgem Salus Populi Romani. Já na manhã desta quarta, ainda na sua residência na Casa Santa Marta, o Papa saudou duas famílias (no total de 10 pessoas) que tiveram suas casas destruídas por um incêndio na periferia de Roma durante o verão. As famílias estão recebendo um auxílio, em nome do Santo Padre, da Esmolaria Apostólica.

Fonte: A12

Share
5 Santuários Marianos para você visitar em Santa Catarina

5 Santuários Marianos para você visitar em Santa Catarina

O estado de Santa Catarina é composto por belíssimas paisagens naturais que atraem milhões de turistas. Em meio às belezas naturais e as tradições folclóricas, há as diversas manifestações de fé e da religiosidade popular.  A mais conhecida é a Festa do Divino Espírito Santo, que representa a religiosidade e tradição trazida pelos colonizadores açorianos. Mas há também forte devoção a Nossa Senhora.

Deste modo, quem passa pelo estado não pode deixar de visitar os santuários marianos. Apresentamos aqui cinco deles que podem servir de guia nesta visita:

Santuário de Angelina


Localizado no centro da cidade de Angelina, a paróquia foi instituída em abril de 1921, por Dom Joaquim Domingos de Oliveira, Bispo da Diocese de Florianópolis.

A primeira Igreja Matriz foi a capela dedicada a São Carlos Borromeu, construída em 1863. Em 16 de setembro de 1946, a capela foi desmontada para dar lugar à nova Igreja, que teria como primeira padroeira Nossa Senhora da Imaculada Conceição, e São Carlos Borromeu como seu segundo padroeiro. Sua construção durou um tempo recorde, 18 meses, sendo inaugurada em 23 de maio de 1948, com a presença de uma multidão de fiéis.

No complexo religioso, encontra-se também a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, que foi fundada em 1899 pelo frei Zeno Wallbroehk. A imagem da gruta veio da Alemanha A subida até a gruta é comporta um percurso de 740m, meditados com as passagens da via sacra.

Santuário Nossa Senhora do Caravaggio

 

Pertencente a Diocese de Tubarão (SC), o Santuário Nossa Senhora de Caravaggio está localizado na cidade de Nova Veneza. Ele é fruto da colonização italiana na região, que teve início em 1891. As famílias vindas da Itália trouxeram de lá uma estampa de Nossa Senhora do Caravaggio, devido à devoção que lhes dedicavam. Anos mais tarde, Nossa Senhora ganhou um oratório onde as pessoas podiam se encontrar para rezar o terço. A devoção cresceu rapidamente e em 1896 foi construída uma capela de madeira dedicada à santa. Em maio de 1914, foi dado início a construção da primeira igreja de alvenaria e, em 1957, Dom Anselmo Pietrulla, Bispo, sugeriu a construção de um Santuário Diocesano. A sugestão tornou-se realidade já em 1963 com o início da construção do Santuário que foi inaugurado em 1º de outubro de 1967.

O último domingo do mês de maio acontece a grandiosa Festa e Romaria em honra a Nossa Senhora de Caravaggio. Neste dia os devotos vão até o santuário – muitos a pé – e demonstram sua fé em Nossa Senhora.

Santuário da Lagoa da Conceição

 

Na capital do estado, Florianópolis, está localizado o santuário da Imaculada Conceição. Construído em 1750, ele é um exemplo da arquitetura portuguesa em terras catarinenses. Mesmo com as transformações e sucessivas pinturas, preservou-se muito das suas características. Quem visita pode perceber que em volta encontram-se as casas de arquitetura típica da época da visita do Imperador Dom Pedro II, em 1847. Na ocasião desta visita, o Imperador doou à Igreja 800 mil réis para pagar a custódia de prata que ele havia encomendado para o templo religioso. Mais tarde, em 1861, em uma outra visita, o Imperador a presenteou com dois sinos que até hoje se encontram por lá.

Em 1974, por decreto do então prefeito de Florianópolis, Esperidião Amim, a Igreja foi tombada como patrimômio artístico, cultural e histórico do município. E em 8 de dezembro de 1999, elevada a santuário pelo Arcebispo de Florianópolis Dom Eusébio Oscar Scheid.

Santuário de Azambuja

O primeiro santuário catarinense fica na cidade de Brusque e é dedicado a Nossa Senhora de Caravaggio de Azambuja.

Nascido pela fé de um pequeno grupo de imigrantes, o santuário conta hoje com um “Vale de Graças”. Seu território é um verdadeiro complexo. Possuí um Seminário, inaugurado em 1927, com o objetivo de formar os futuros sacerdotes; Um museu de arte sacra, aberto ao público em 03 de agosto de 1960 e considerado, hoje, o maior museu de arte sacra do sul do Brasil; E um hospital, inaugurado em 29 de junho de 1902, tido como referência entre os estabelecimentos de saúde da região.

O Santuário também conta com uma gruta subterrânea dedicada à Nossa Senhora de Lourdes, além do Morro do Rosário, que possui imagens 15 mistérios do rosário, confeccionadas de cimento em tamanho natural Foi elevado à dignidade de Santuário Episcopal em 1º de setembro de 1905, após um crescente número de peregrinações ao local e atualmente é um local visitado por turistas e devotos de todo o Brasil.

Santuário Nossa Senhora dos Navegantes

Nossa Senhora dos Navegantes é aclamada em Santa Catarina com um belíssimo santuário localizado na cidade portuária de Navegantes, ao norte do estado.

A cidade de Navegantes e as regiões vizinhas eram habitadas por índios Carijós. Com a chegada do primeiro homem branco no Vale do Itajaí, João Dias de Arzão, em 1658, as terras passaram a atrair imigrantes portugueses, açorianos e colonos. Em 1850, houve um crescimento das manifestações religiosas no povoado, muitas em homenagem a Santo Amaro e São Sebastião. Após a doação de um terreno, em 1895, feito pela Sra. Maria Rita, foi iniciado o processo de construção de uma capela destinada a Nossa Senhora dos Navegantes. Com a permissão do bispo de Curitiba, as obras iniciaram em 1897 e a capela inaugurada em 02 de fevereiro de 1898.

A atual Matriz começou a ser construída em  8 de novembro de 1959, com a bênção da Pedra Fundamental, e inaugurada em 26 de agosto de 1962, com a criação da Paróquia de Nossa Senhora dos Navegantes por Carta-Decreto de Dom Joaquim Domingues de Oliveira, Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de Florianópolis. No mesmo ano ocorreu a emancipação da localidade, desmembrando-se do município de Itajaí.

Em 18 de agosto de 1996, ano do centenário da chegada da imagem, a Igreja Matriz foi elevada a categoria de santuário por meio de Decreto do Arcebispo Metropolitano Dom Eusébio Oscar Scheid. O padre Alvino Broering, recebeu o título de 1º Reitor do Santuário.

Faça uma visita aos Santuários!

Share
Papa encontra líderes religiosos coreanos: diálogo pela reconciliação e a paz

Papa encontra líderes religiosos coreanos: diálogo pela reconciliação e a paz

O Santo Padre concluiu sua série de audiências, na manhã deste sábado, recebendo 20 membros do Conselho dos líderes religiosos coreanos, em visita ao Vaticano.

Em seu discurso, o Papa Francisco expressou sua alegria de poder encontrá-los, sobretudo depois de terem percorrido tanta estrada para realizar sua peregrinação inter-religiosa a Roma.

Aos líderes religiosos coreanos, o Santo Padre recordou as palavras que lhes dirigiu, em Seul, quando da sua visita ao país:

“A vida é um caminho, um caminho longo, mas é um caminho que não pode ser percorrido sozinhos. É preciso caminhar com os irmãos na presença de Deus”. Eis, que hoje, aqui, se realiza uma parte do caminho que percorremos juntos”.

Aos presentes, Francisco recordou que, desde o Concílio Vaticano II, a Igreja nunca se cansa de percorrer as veredas, às vezes difíceis, da unidade, promovendo, de modo particular, o diálogo com seguidores de outras religiões. E acrescentou:

“O diálogo inter-religioso, composto de contatos, encontros e colaboração, é uma tarefa preciosa e agradável a Deus; é um desafio que deve ser enfrentado pelo bem comum e pela paz. O diálogo do qual precisamos deve ser aberto e respeitoso, para ser frutuoso”.

De fato, disse o Papa, o diálogo deve ser aberto, ou seja, cordial e sincero entre aqueles que querem caminhar juntos, com estima e franqueza; deve ser respeitoso, porque esta é a condição e a finalidade do diálogo inter-religioso. E especificou:

“De fato, é respeitando o direito à vida, a integridade física e as liberdades fundamentais – como o direito de consciência, de religião, de pensamento e expressão – que podem ser colocados os alicerces para a construção da paz, para a qual cada um de nós é chamado a rezar e a agir”.

Temos diante de nós um caminho muito longo, a ser percorrido com humildade e constância, sem levantar a voz, mas arregaçando as mangas para semear a esperança em um futuro, onde o homem possa ser mais humano e onde possamos ouvir o grito daqueles que repudiam a guerra e imploram mais harmonia. E o Papa advertiu:

“O mundo olha para nós e nos exorta a colaborar entre nós; o mundo exige de nós respostas e compromissos concretos sobre vários temas: a dignidade sagrada da pessoa, a fome e a pobreza; a rejeição da violência, sobretudo, aquela que se comete em nome de Deus; a profanação da religiosidade humana; a corrupção que fomenta injustiças; a degradação moral; a crise familiar, econômica, ecológica”.

Neste sentido, concluiu o Santo Padre, os Líderes religiosos são convidados a promover, favorecer e acompanhar os processos benéficos e de reconciliação. Somos chamados a ser pregoeiros de paz, não de modo violento, mas com palavras convincentes que se opõem ao medo e à retórica do ódio. (MT)

 

Fonte: Radio Vaticano

Share