São Tomás de Aquino

São Tomás de Aquino

S_T_A_04

Um menino que buscava o Absoluto

Mas, afinal, o que é a verdade? Esta era uma das perguntas que o pequeno Tomás fazia em seus tenros cinco anos de idade. Segundo um costume da época, sua educação foi confiada aos beneditinos de Monte Cassino, onde ele passou a morar. Vendo um monge cruzar com gravidade e recolhimento os claustros e corredores, puxava sem hesitar a manga de seu hábito e lhe perguntava: “Quem é Deus?” Descontente com a resposta que, embora verdadeira, não satisfazia inteiramente seu desejo de saber, esperava passar outro filho de São Bento e indagava também a ele: “Irmão Mauro, pode me explicar quem é
Deus?” Mas… que decepção! De ninguém conseguia a explicação desejada. Como as palavras dos monges eram inferiores à idéia de Deus que aquele menino trazia no fundo da alma!

Foi nesse ambiente de oração e serenidade que transcorreu feliz a infância de São Tomás de Aquino. Nascido por volta de 1225, era o filho caçula dos condes de Aquino, Landolfo e Teodora. Entrevendo para o pequeno um futuro brilhante, seus pais lhe proporcionaram uma robusta formação. Mal podiam imaginar que ele seria um dos maiores teólogos da Santa Igreja Católica e a rocha fundamental do edifício da filosofia cristã, o ponto de convergência no qual se reuniriam todos os tesouros da teologia até então acumulados e do qual partiriam as luzes para as futuras explicitações.

A vocação posta à prova

Muito jovem ainda, São Tomás partiu para Nápoles a fim de estudar gramática, dialética, retórica e filosofia. As matérias mais árduas, que custam até aos espíritos robustos, não passavam de um simples joguete para ele. Entretanto, nesse período de sua vida não avançou menos em santidade do que em ciência. Seu entretenimento era rezar nas diversas igrejas e fazer o bem aos pobres.

Ainda em Nápoles Deus lhe manifestou sua vocação. Seus pais desejavam vê-lo beneditino, abade em Monte Cassino ou Arcebispo de Nápoles, entretanto, o Senhor lhe traçara um caminho bem diverso. Era na Ordem dos Pregadores, recém fundada por São Domingos, que a graça haveria de tocar-lhe a alma. São Tomás descobriu nos dominicanos o carisma com o qual se identificou por completo. Após longas conversas com Frei João de São Julião, não duvidou em aderir à Ordem e fez-se dominicano aos catorze anos de idade.

Costuma a Providência Divina solidificar no cadinho do sofrimento as almas às quais confere um chamado excepcional, e São Tomás não escapou à regra. Quando sua mãesoube de seu ingresso nos dominicanos, tomou-se de fúria e quis tirálo à força. Fugindo para Paris, com o objetivo de escapar da tirania materna, o santo doutor foi dominado por seus irmãos que o buscavam com todo empenho. Após terem-no espancado brutalmente, procuraram despojá-lo de seu hábito religioso. “É uma coisa abominável – dirá depois São Tomás – querer repreender os Céus por um dom que de lá recebemos”.

Assim capturado, levaram-no à mãe, a qual tentou fazê-lo abandonar seu propósito. Na incapacidade de convencê-lo, encarregou suas duas filhas de dissuadir a qualquer preço o irmão “rebelde”. Com palavras sedutoras, elas lhe mostraram as mil vantagens que o mundo lhe oferecia, até mesmo a de uma promissora carreira eclesiástica, desde que renunciasse à Ordem Dominicana. O resultado desta entrevista é assombroso: uma delas decidiu fazer-se religiosa e partiu para o convento de Santa Maria de Cápua, onde viveu santamente e foi abadessa. Eis a força da convicção e o poder de persuasão deste homem de Deus!

Confronto decisivo

Farta de vãos esforços, a família tomou uma medida drástica: prendeuo na torre do castelo de Roccasecca, com o intuito de mantê-lo encarcerado enquanto não desistisse de sua vocação. Em completa solidão, o santo passou ali quase dois anos, os quais foram aproveitados para um aprofundamento nas vias da contemplação e do estudo. Os frades dominicanos o acompanhavam espiritualmente através de orações e enviavam com sagacidade livros e novos hábitos que lhe chegavam às mãos por intermédio de suas irmãs.

Como passava o tempo sem o jovem detido esmorecer, seus irmãos – instigados por Satanás – montaram um plano execrável: enviaram à torre uma moça de maus costumes para fazê-lo cair em pecado. Contudo, São Tomás há muito se solidificara na prática de todas as virtudes, e não se deixaria arrastar. Vendo aquela perversa mulher aproximar-se, pegou na lareira um tição em chamas e com ele se defendeu da infame tentadora que fugiu apavorada para salvar a própria pele.

Insigne vitória contra o inimigo da salvação! Reconhecendo nesse episódio a intervenção divina, São Tomás traçou com o mesmo tição em brasa uma cruz na parede, ajoelhou-se e renovou sua promessa de castidade. Comprazidos por tal gesto de fidelidade, o Senhor e sua Mãe lhe mandaram um sono durante o qual dois anjos o cingiram com um cordão celestial, dizendo: “Viemos da parte de Deus conferir- te o dom da virgindade perpétua, que a partir de agora será irrevogável”.

Nunca mais São Tomás sofreu qualquer tentação de concupiscência ou de orgulho. O titulo de Doutor Angélico não lhe foi dado apenas por ter transmitido a mais alta doutrina, mas também por ter em tudo se assemelhado aos espíritos puríssimos que contemplam a face de Deus.

O aluno supera o mestre

Agora com o assentimento dos seus, São Tomás partiu para consolidar sua formação intelectual em Paris e Colônia. Falava-se muito da pregação que fazia nesta última cidade o bispo Santo Alberto Magno, o mais conceituado mestre da Ordem dos Pregadores. São Tomás rezou, pedindo para conhecê-lo e receber dele as maravilhas da fé, e, para sua alegria, foi atendido. O que Santo Alberto não podia imaginar era que aquele frade despretensioso, de poucas palavras e presença discreta, tivesse tamanha envergadura espiritual.

Certo dia, caiu nas mãos do mestre um trecho escrito por seu aluno. Admirado pela profundidade do conteúdo, pediu a São Tomás para expor à toda a classe aquela temática. O resultado foi uma explanação em tudo surpreendente, na qual os demais alunos comprovaram quão temerário era o juízo pejorativo que faziam de seu companheiro: ele logrou explicitar com mais riqueza, expressividade e clareza que o próprio Santo Alberto.

Daí em diante, a vida do Doutor Angélico foi uma seqüência de sublimes serviços prestados à sagrada teologia e à filosofia. Aos 22 anos de idade interpretou com genialidade a obra de Aristóteles; aos 25, juntamente com São Boaventura, obteve o doutorado na Universidade de Paris. Estes dois arquétipos doutrinários nutriam grande admiração recíproca, a ponto de disputarem afetuosamente, no dia de receberem o título máximo, quem seria nomeado primeiro, cada qual desejando ao outro
a primazia.

Obra portentosa

Tão vasta é a obra tomista que a simples enumeração de seus escritos ocupa várias páginas. Formam um total de quase sessenta grandes obras – entre comentários, sumas, questões e opúsculos – das quais não está excluída nenhuma das principais preocupações do espírito humano.

Sua prodigiosa faculdade de memória lhe permitia reter todas as leituras que fizera, entre elas a Bíblia, as obras dos filósofos antigos e dos Padres da Igreja. Todas as oitenta mil citações contidas em seus escritos brotaram espontaneamente de sua capacidade retentora. Nunca precisou ler duas vezes o mesmo trecho. Ao lhe ser perguntado qual era o maior favor sobrenatural que recebera, depois da graça santificante, respondeu: “Creio que o de ter entendido tudo quanto li”.

Em suas obras vemos uma incrível acuidade de espírito, um raro dom de formulação e uma superior capacidade de expressão. Costumava resolver quatro ou cinco problemas ao mesmo tempo, ditando para diversos escreventes respostas definitivas às questões mais obscuras. Não sucumbiu ao peso de seus conhecimentos, mas, pelo contrário, os harmonizou num conjunto incomparável que tem na Suma Teológica a mais brilhante manifestação.

Sabedoria e oração

Falar das qualidades naturais do Doutor Angélico sem considerar a supremacia da graça que resplandecia em sua alma seria uma deturpação. Frei Reginaldo, seu fiel secretário, disse tê-lo visto passar mais tempo aos pés do crucifixo do que em meio aos livros.

A fim de obter luzes para solucionar intrincados problemas, o santo doutor fazia freqüentes jejuns e penitências, e não raras vezes o Senhor o atendeu com revelações celestiais. Em certa ocasião, enquanto rezava fervorosamente, pedindo luzes para explicar uma passagem de Isaías, apareceram-lhe São Pedro e São Paulo e esclareceram todas as dúvidas.

Recorria também a Jesus Sacramentado. Às vezes colocava a cabeça no sacrário e rezava longamente. Assegurou depois ter aprendido mais desta forma do que em todos os estudos que fizera. Por seu entranhado amor à Eucaristia, compôs o Pange Lingua e o Lauda Sion para a festa de Corpus Christi: obras-primas jamais superadas.

Um dia, estando imerso em adoração a Jesus Crucificado, o Senhor dirigiu- Se a ele com estas palavras:

– Escreveste bem sobre Mim, Tomás. Que recompensa queres?

Nada mais que a Vós, Senhor – respondeu ele.

A recompensa demasiadamente grande

Em 1274 São Tomás partiu para Lion a fim de participar do Concílio Ecumênico convocado pelo Papa Gregório X, mas no caminho adoeceu gravemente. Como não havia nenhuma casa dominicana próxima, foi levado para a abadia cisterciense de Fossanova, onde faleceu a 7 de março, antes de completar cinqüenta anos de idade. Suas relíquias foram transportadas para Toulouse em 28 de janeiro de 1369, data em que a Igreja Universal celebra sua memória.

Ao receber por derradeira vez a Sagrada Eucaristia, disse ele:

“Eu Vos recebo, preço do resgate de minha alma e Viático de minha peregrinação, por cujo amor estudei, vigiei, trabalhei, preguei e ensinei. Tenho escrito tanto, e tão freqüentemente tenho discutido sobre os mistérios da vossa Lei, ó meu Deus; sabeis que nada desejei ensinar que não tivesse aprendido de Vós. Se o que escrevi é verdade, aceitai-o como uma homenagem à vossa infinita majestade; se falso, perdoai a minha ignorância. Consagro tudo o que fiz e o submeto ao infalível julgamento da vossa Santa Igreja Romana, na obediência à qual estou prestes a partir desta vida.”

Belo testamento de elevada santidade! A Igreja não tardou em glorificá- lo, elevando-o à honra dos altares em 1323. Na cerimônia de canonização, o Papa João XXII afirmou: “Tomás sozinho iluminou a Igreja mais do que todos os outros doutores. Tantos são os milagres que fez, quantas as questões que resolveu”. No Concílio de Trento, as três obras de referência postas sobre a mesa da assembléia foram: a Bíblia, os Atos Pontificais e a Suma Teológica. É difícil exprimir o que a Igreja deve a este seu filho ímpar.

Da fé extraordinariamente vigorosa do Doutor Angélico brotava a convicção profunda de que a Verdade em essência não é senão o próprio Deus, e a partir do momento em que ela fosse proclamada em sua integridade, seria irrecusável e triunfante.  Eis o grande mérito de sua doutrina imortal: ela continua ecoando ao longo dos séculos, pois nada pode abalar a supremacia de Cristo.

Em São Tomás a Igreja contempla a realização plena da oração feita pelo Divino Mestre nos derradeiros momentos que passou nesta terra: “Santifica-os na verdade. A tua palavra é a verdade. Assim como Tu me enviaste ao mundo, também Eu os enviei ao mundo. Por eles Eu santifico-Me a Mim mesmo, para que também sejam santificados na verdade” (Jo 17, 17-19).

Revista Arautos do Evangelho, Janeiro/2008, n. 73, p. 32 à 35

Fonte: Arautos do Evangelho

Share
Audiência: a misericórdia de Deus atua sempre para salvar

Audiência: a misericórdia de Deus atua sempre para salvar

Papa_misericórdiaQuarta-feira, 27 de janeiro – na audiência geral o Papa Francisco continuou com as suas catequeses sobre a misericórdia na perspetiva bíblica. Como habitualmente, a audiência foi introduzida por uma leitura bíblica. Desta vez, foi lida nas várias línguas uma passagem do Livro do Êxodo ((2,23-25) na qual Deus escuta os gemidos dos filhos de Israel na servidão. Na sua misericórdia, atende o grito de socorro; não desvia o olhar para não ver, não é indiferente ao sofrimento humano. Nas palavras do Papa Francisco: “Deus recordou-se da sua aliança com Abraão, Isaac e Jacob”.

Assim, o Senhor intervém para salvar, suscitando homens capazes de ouvir o gemido do sofrimento e agir em favor dos oprimidos. Como mediador de libertação para o seu povo, envia Moisés, que vai ter com o Faraó para o convencer a deixar partir Israel e depois guia-o no caminho para a liberdade.

Moisés, quando era menino, fora salvo das águas do rio Nilo pela misericórdia divina; e agora é feito mediador daquela mesma misericórdia a favor do seu povo, permitindo-lhe nascer para a liberdade salvo das águas do Mar Vermelho.

É que a misericórdia de Deus atua sempre para salvar – sublinhou o Papa Francisco. Através do seu servo Moisés, o Senhor guia Israel no deserto como se fosse um filho, educa-o na fé e faz aliança com ele criando um vínculo fortíssimo de amor, uma relação semelhante à que existe entre pai e filho e entre marido e esposa. É uma relação particular, exclusiva, privilegiada de amor, fazendo dos israelitas “um reino de sacerdotes e uma nação santa”.

A misericórdia divina torna o homem precioso, como um tesouro pessoal que pertence ao Senhor, que Ele guarda e no qual Se compraz. Tornamo-nos joias preciosas nas mãos do Pai bom e misericordioso – afirmou o Papa Francisco na conclusão da sua catequese.

Nas saudações o Santo Padre dirigiu-se também aos peregrinos de língua portuguesa:

“Queridos peregrinos de língua portuguesa, sede bem-vindos! A todos vos saúdo, especialmente aos fiéis de Brasília e S. José dos Campos, desejando-vos que nada nem ninguém possa impedir-vos de viver e crescer na amizade de Deus Pai; mas deixai que o seu amor sempre vos regenere como filhos e vos reconcilie com Ele e com os irmãos. Desça, sobre vós e vossas famílias, a abundância das suas bênçãos.”

No final da audiência houve uma breve apresentação circense e Francisco mencionou ainda uma iniciativa do Conselho Pontifício Cor Unum por ocasião do Ano Jubilar: trata-se de uma jornada de retiro espiritual para as pessoas, grupos e obras que estão empenhadas nos serviços de caridade. Este retiro deverá ser realizado a nível local, nas dioceses, durante a próxima Quaresma. Um momento para “refletir sobre o chamamento a sermos misericordiosos como o Pai”.

O Papa Francisco a todos deu a sua bênção!

Fonte: Rádio Vaticano

Share
Veja a mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2016

Veja a mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2016

 

brasão do Papa Francisco
Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2016
Terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Boletim da Santa Sé

“Prefiro a misericórdia ao sacrifício” (Mt 9, 13).

As obras de misericórdia no caminho jubilar

1. Maria, ícone duma Igreja que evangeliza porque evangelizada

Na Bula de proclamação do Jubileu, fiz o convite para que «a Quaresma deste Ano Jubilar seja vivida mais intensamente como tempo forte para celebrar e experimentar a misericórdia de Deus» (Misericordiӕ Vultus, 17). Com o apelo à escuta da Palavra de Deus e à iniciativa «24 horas para o Senhor», quis sublinhar a primazia da escuta orante da Palavra, especialmente a palavra profética. Com efeito, a misericórdia de Deus é um anúncio ao mundo; mas cada cristão é chamado a fazer pessoalmente experiência de tal anúncio. Por isso, no tempo da Quaresma, enviarei os Missionários da Misericórdia a fim de serem, para todos, um sinal concreto da proximidade e do perdão de Deus.

Maria, por ter acolhido a Boa Notícia que Lhe fora dada pelo arcanjo Gabriel, canta profeticamente, no Magnificat, a misericórdia com que Deus A predestinou. Deste modo a Virgem de Nazaré, prometida esposa de José, torna-se o ícone perfeito da Igreja que evangeliza porque foi e continua a ser evangelizada por obra do Espírito Santo, que fecundou o seu ventre virginal. Com efeito, na tradição profética, a misericórdia aparece estreitamente ligada – mesmo etimologicamente – com as vísceras maternas (rahamim) e com uma bondade generosa, fiel e compassiva (hesed) que se vive no âmbito das relações conjugais e parentais.

2. A aliança de Deus com os homens: uma história de misericórdia

O mistério da misericórdia divina desvenda-se no decurso da história da aliança entre Deus e o seu povo Israel. Na realidade, Deus mostra-Se sempre rico de misericórdia, pronto em qualquer circunstância a derramar sobre o seu povo uma ternura e uma compaixão viscerais, sobretudo nos momentos mais dramáticos quando a infidelidade quebra o vínculo do Pacto e se requer que a aliança seja ratificada de maneira mais estável na justiça e na verdade. Encontramo-nos aqui perante um verdadeiro e próprio drama de amor, no qual Deus desempenha o papel de pai e marido traído, enquanto Israel desempenha o de filho/filha e esposa infiéis. São precisamente as imagens familiares – como no caso de Oseias (cf. Os 1-2) – que melhor exprimem até que ponto Deus quer ligar-Se ao seu povo.

Este drama de amor alcança o seu ápice no Filho feito homem. N’Ele, Deus derrama a sua misericórdia sem limites até ao ponto de fazer d’Ele a Misericórdia encarnada (cf. Misericordiӕ Vultus, 8). Na realidade, Jesus de Nazaré enquanto homem é, para todos os efeitos, filho de Israel. E é-o ao ponto de encarnar aquela escuta perfeita de Deus que se exige a cada judeu pelo Shemà, fulcro ainda hoje da aliança de Deus com Israel: «Escuta, Israel! O Senhor é nosso Deus; o Senhor é único! Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças» (Dt 6, 4-5). O Filho de Deus é o Esposo que tudo faz para ganhar o amor da sua Esposa, à qual O liga o seu amor incondicional que se torna visível nas núpcias eternas com ela.

Este é o coração pulsante do querigma apostólico, no qual ocupa um lugar central e fundamental a misericórdia divina. Nele sobressai «a beleza do amor salvífico de Deus manifestado em Jesus Cristo morto e ressuscitado» (Evangelii gaudium, 36), aquele primeiro anúncio que «sempre se tem de voltar a ouvir de diferentes maneiras e aquele que sempre se tem de voltar a anunciar, duma forma ou doutra, durante a catequese» (Ibid., 164). Então a Misericórdia «exprime o comportamento de Deus para com o pecador, oferecendo-lhe uma nova possibilidade de se arrepender, converter e acreditar» (Misericordiӕ Vultus, 21), restabelecendo precisamente assim a relação com Ele. E, em Jesus crucificado, Deus chega ao ponto de querer alcançar o pecador no seu afastamento mais extremo, precisamente lá onde ele se perdeu e afastou d’Ele. E faz isto na esperança de assim poder finalmente comover o coração endurecido da sua Esposa.

3. As obras de misericórdia

A misericórdia de Deus transforma o coração do homem e faz-lhe experimentar um amor fiel, tornando-o assim, por sua vez, capaz de misericórdia. É um milagre sempre novo que a misericórdia divina possa irradiar-se na vida de cada um de nós, estimulando-nos ao amor do próximo e animando aquilo que a tradição da Igreja chama as obras de misericórdia corporal e espiritual. Estas recordam-nos que a nossa fé se traduz em actos concretos e quotidianos, destinados a ajudar o nosso próximo no corpo e no espírito e sobre os quais havemos de ser julgados: alimentá-lo, visitá-lo, confortá-lo, educá-lo. Por isso, expressei o desejo de que «o povo cristão reflicta, durante o Jubileu, sobre as obras de misericórdia corporal e espiritual. Será uma maneira de acordar a nossa consciência, muitas vezes adormecida perante o drama da pobreza, e de entrar cada vez mais no coração do Evangelho, onde os pobres são os privilegiados da misericórdia divina» (Ibid., 15). Realmente, no pobre, a carne de Cristo «torna-se de novo visível como corpo martirizado, chagado, flagelado, desnutrido, em fuga… a fim de ser reconhecido, tocado e assistido cuidadosamente por nós» (Ibid., 15). É o mistério inaudito e escandaloso do prolongamento na história do sofrimento do Cordeiro Inocente, sarça ardente de amor gratuito na presença da qual podemos apenas, como Moisés, tirar as sandálias (cf. Ex 3, 5); e mais ainda, quando o pobre é o irmão ou a irmã em Cristo que sofre por causa da sua fé.

Diante deste amor forte como a morte (cf. Ct 8, 6), fica patente como o pobre mais miserável seja aquele que não aceita reconhecer-se como tal. Pensa que é rico, mas na realidade é o mais pobre dos pobres. E isto porque é escravo do pecado, que o leva a utilizar riqueza e poder, não para servir a Deus e aos outros, mas para sufocar em si mesmo a consciência profunda de ser, ele também, nada mais que um pobre mendigo. E quanto maior for o poder e a riqueza à sua disposição, tanto maior pode tornar-se esta cegueira mentirosa. Chega ao ponto de não querer ver sequer o pobre Lázaro que mendiga à porta da sua casa (cf. Lc 16, 20-21), sendo este figura de Cristo que, nos pobres, mendiga a nossa conversão. Lázaro é a possibilidade de conversão que Deus nos oferece e talvez não vejamos. E esta cegueira está acompanhada por um soberbo delírio de omnipotência, no qual ressoa sinistramente aquele demoníaco «sereis como Deus» (Gn 3, 5) que é a raiz de qualquer pecado. Tal delírio pode assumir também formas sociais e políticas, como mostraram os totalitarismos do século XX e mostram hoje as ideologias do pensamento único e da tecnociência que pretendem tornar Deus irrelevante e reduzir o homem a massa possível de instrumentalizar. E podem actualmente mostrá-lo também as estruturas de pecado ligadas a um modelo de falso desenvolvimento fundado na idolatria do dinheiro, que torna indiferentes ao destino dos pobres as pessoas e as sociedades mais ricas, que lhes fecham as portas recusando-se até mesmo a vê-los.

Portanto a Quaresma deste Ano Jubilar é um tempo favorável para todos poderem, finalmente, sair da própria alienação existencial, graças à escuta da Palavra e às obras de misericórdia. Se, por meio das obras corporais, tocamos a carne de Cristo nos irmãos e irmãs necessitados de ser nutridos, vestidos, alojados, visitados, as obras espirituais tocam mais directamente o nosso ser de pecadores: aconselhar, ensinar, perdoar, admoestar, rezar. Por isso, as obras corporais e as espirituais nunca devem ser separadas. Com efeito, é precisamente tocando, no miserável, a carne de Jesus crucificado que o pecador pode receber, em dom, a consciência de ser ele próprio um pobre mendigo. Por esta estrada, também os «soberbos», os «poderosos» e os «ricos», de que fala o Magnificat, têm a possibilidade de aperceber-se que são, imerecidamente, amados pelo Crucificado, morto e ressuscitado também por eles. Somente neste amor temos a resposta àquela sede de felicidade e amor infinitos que o homem se ilude de poder colmar mediante os ídolos do saber, do poder e do possuir. Mas permanece sempre o perigo de que os soberbos, os ricos e os poderosos – por causa de um fechamento cada vez mais hermético a Cristo, que, no pobre, continua a bater à porta do seu coração – acabem por se condenar precipitando-se eles mesmos naquele abismo eterno de solidão que é o inferno. Por isso, eis que ressoam de novo para eles, como para todos nós, as palavras veementes de Abraão: «Têm Moisés e o Profetas; que os oiçam!» (Lc 16, 29). Esta escuta activa preparar-nos-á da melhor maneira para festejar a vitória definitiva sobre o pecado e a morte conquistada pelo Esposo já ressuscitado, que deseja purificar a sua prometida Esposa, na expectativa da sua vinda.

Não percamos este tempo de Quaresma favorável à conversão! Pedimo-lo pela intercessão materna da Virgem Maria, a primeira que, diante da grandeza da misericórdia divina que Lhe foi concedida gratuitamente, reconheceu a sua pequenez (cf. Lc 1, 48), confessando-Se a humilde serva do Senhor (cf. Lc 1, 38).

Vaticano, 4 de Outubro de 2015

Festa de S. Francisco de Assis

FRANCISCUS

Saiba mais sobre a Quaresma

https://www.youtube.com/watch?v=XFit2wsOUk0

Share
Sala de Imprensa confirma viagem do Papa à Suécia

Sala de Imprensa confirma viagem do Papa à Suécia

Papa 01Francisco viajará à Suécia em outubro. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (25/01) pelo Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi.

“O Papa irá a Lund, na Suécia, em 31 de outubro, onde participará de uma cerimônia conjunta entre a Igreja católica e a Federação Luterana mundial em virtude dos 500 anos da Reforma”, diz o comunicado.

Em uma nota, a Federação Luterana explica que o Papa Francisco, o Bispo Munib A. Younan e o Reverendo Martin Junge, Presidente e Secretário Geral da Federação, respectivamente, presidirão juntos à celebração ecumênica.

“A celebração vai dar destaque aos sólidos progressos ecumênicos entre católicos e luteranos e às conquistas recíprocas frutos do diálogo e será norteada pelo guia litúrgico católico-luterano ‘Oração Comum’, recentemente publicado”, escreve ainda a Federação Luterana, cuja sede está justamente na cidade de Lund.

Um Pontífice volta à Escandinávia

Será a primeira visita de um Pontífice ao país após a peregrinação de São João Paulo II à Escandinávia, no Verão de 1989.

Durante nove dias, entre 1º e 10 de junho de 1989, João Paulo II visitou Noruega, Islândia, Finlândia, Dinamarca e Suécia, com um total de 38 discursos pronunciados.

Na capital sueca, João Paulo II visitou a Catedral de Santo Henrique, presidiu à Santa Missa no Estádio “Globo” e saudou os representantes das obras assistenciais alemãs em Estocolmo.

Em Upsala, participou de um Encontro Ecumênico na Catedral Luterana, encontrou os universitários na Sala Magna da Universidade de Upsala. Esteve ainda na Igreja de São Lourenco onde encontrou as Superioras Maiores e celebrou a Santa Missa ao lado da antiga igreja luterana.

Como encerramento da peregrinação na Escandinávia, celebrou a Santa Missa no Castelo de Vadstena. A despedida de São João Paulo II da Suécia aconteceu em 10 de junho de 1989, no aeroporto de Linköping.

Visita da Rainha

Em 27 de abril do ano passado, o Papa recebeu em audiência a Rainha Silvia da Suécia. Contudo, à época, não se falou de nenhum convite oficial por parte da monarca.

No encontro, a Rainha conversou principalmente em espanhol com o Papa, já que durante a sua juventude havia trabalhado na embaixada da Alemanha em Buenos Aires. Alemã de nascimento, a mãe da Rainha Silvia era brasileira de São Paulo.

Fonte: Rádio Vaticano

Share
Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais: Comunicação e Misericórdia

Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais: Comunicação e Misericórdia

comunicaçaõ_misericórdia_01Mensagem do Papa Francisco para o 50° Dia Mundial das Comunicações Sociais sobre o tema: «Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo».

Eis a Mensagem na íntegra:

Queridos irmãos e irmãs!

O Ano Santo da Misericórdia convida-nos a refletir sobre a relação entre a comunicação e a misericórdia. Com efeito a Igreja unida a Cristo, encarnação viva de Deus Misericordioso, é chamada a viver a misericórdia como traço característico de todo o seu ser e agir. Aquilo que dizemos e o modo como o dizemos, cada palavra e cada gesto deveria poder expressar a compaixão, a ternura e o perdão de Deus para todos. O amor, por sua natureza, é comunicação: leva a abrir-se, não se isolando. E, se o nosso coração e os nossos gestos forem animados pela caridade, pelo amor divino, a nossa comunicação será portadora da força de Deus.

Como filhos de Deus, somos chamados a comunicar com todos, sem exclusão. Particularmente próprio da linguagem e das ações da Igreja é transmitir misericórdia, para tocar o coração das pessoas e sustentá-las no caminho rumo à plenitude daquela vida que Jesus Cristo, enviado pelo Pai, veio trazer a todos. Trata-se de acolher em nós mesmos e irradiar ao nosso redor o calor materno da Igreja, para que Jesus seja conhecido e amado; aquele calor que dá substância às palavras da fé e acende, na pregação e no testemunho, a «centelha» que os vivifica.

A comunicação tem o poder de criar pontes, favorecer o encontro e a inclusão, enriquecendo assim a sociedade. Como é bom ver pessoas esforçando-se por escolher cuidadosamente palavras e gestos para superar as incompreensões, curar a memória ferida e construir paz e harmonia. As palavras podem construir pontes entre as pessoas, as famílias, os grupos sociais, os povos. E isto acontece tanto no ambiente físico como no digital. Assim, palavras e ações hão-de ser tais que nos ajudem a sair dos círculos viciosos de condenações e vinganças que mantêm prisioneiros os indivíduos e as nações, expressando-se através de mensagens de ódio. Ao contrário, a palavra do cristão visa fazer crescer a comunhão e, mesmo quando deve com firmeza condenar o mal, procura não romper jamais o relacionamento e a comunicação.

Por isso, queria convidar todas as pessoas de boa vontade a redescobrirem o poder que a misericórdia tem de curar as relações dilaceradas e restaurar a paz e a harmonia entre as famílias e nas comunidades. Todos nós sabemos como velhas feridas e prolongados ressentimentos podem aprisionar as pessoas, impedindo-as de comunicar e reconciliar-se. E isto aplica-se também às relações entre os povos. Em todos estes casos, a misericórdia é capaz de implementar um novo modo de falar e dialogar, como se exprimiu muito eloquentemente Shakespeare: «A misericórdia não é uma obrigação. Desce do céu como o refrigério da chuva sobre a terra. É uma dupla bênção: abençoa quem a dá e quem a recebe» (“O mercador de Veneza”, Ato IV, Cena I).

É desejável que também a linguagem da política e da diplomacia se deixe inspirar pela misericórdia, que nunca dá nada por perdido. Faço apelo sobretudo àqueles que têm responsabilidades institucionais, políticas e de formação da opinião pública, para que estejam sempre vigilantes sobre o modo como se exprimem a respeito de quem pensa ou age de forma diferente e ainda de quem possa ter errado. É fácil ceder à tentação de explorar tais situações e, assim, alimentar as chamas da desconfiança, do medo, do ódio. Pelo contrário, é preciso coragem para orientar as pessoas em direção a processos de reconciliação, mas é precisamente tal audácia positiva e criativa que oferece verdadeiras soluções para conflitos antigos e a oportunidade de realizar uma paz duradoura. «Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. (…) Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus» (Mt 5, 7.9).

Como gostaria que o nosso modo de comunicar e também o nosso serviço de pastores na Igreja nunca expressassem o orgulho soberbo do triunfo sobre um inimigo, nem humilhassem aqueles que a mentalidade do mundo considera perdedores e descartáveis! A misericórdia pode ajudar a mitigar as adversidades da vida e dar calor a quantos têm conhecido apenas a frieza do julgamento. Seja o estilo da nossa comunicação capaz de superar a lógica que separa nitidamente os pecadores dos justos. Podemos e devemos julgar situações de pecado – violência, corrupção, exploração, etc. –, mas não podemos julgar as pessoas, porque só Deus pode ler profundamente no coração delas. É nosso dever admoestar quem erra, denunciando a maldade e a injustiça de certos comportamentos, a fim de libertar as vítimas e levantar quem caiu. O Evangelho de João lembra-nos que «a verdade [nos] tornará livres» (Jo 8, 32). Em última análise, esta verdade é o próprio Cristo, cuja misericórdia repassada de mansidão constitui a medida do nosso modo de anunciar a verdade e condenar a injustiça. É nosso dever principal afirmar a verdade com amor (cf. Ef 4, 15). Só palavras pronunciadas com amor e acompanhadas por mansidão e misericórdia tocam os nossos corações de pecadores. Palavras e gestos duros ou moralistas correm o risco de alienar ainda mais aqueles que queríamos levar à conversão e à liberdade, reforçando o seu sentido de negação e defesa.

Alguns pensam que uma visão da sociedade enraizada na misericórdia seja injustificadamente idealista ou excessivamente indulgente. Mas tentemos voltar com o pensamento às nossas primeiras experiências de relação no seio da família. Os pais amavam-nos e apreciavam-nos mais pelo que somos do que pelas nossas capacidades e os nossos sucessos. Naturalmente os pais querem o melhor para os seus filhos, mas o seu amor nunca esteve condicionado à obtenção dos objetivos. A casa paterna é o lugar onde sempre és bem-vindo (cf. Lc 15, 11-32). Gostaria de encorajar a todos a pensar a sociedade humana não como um espaço onde estranhos competem e procuram prevalecer, mas antes como uma casa ou uma família onde a porta está sempre aberta e se procura aceitar uns aos outros.

Para isso é fundamental escutar. Comunicar significa partilhar, e a partilha exige a escuta, o acolhimento. Escutar é muito mais do que ouvir. Ouvir diz respeito ao âmbito da informação; escutar, ao invés, refere-se ao âmbito da comunicação e requer a proximidade. A escuta permite-nos assumir a atitude justa, saindo da tranquila condição de espectadores, usuários, consumidores. Escutar significa também ser capaz de compartilhar questões e dúvidas, caminhar lado a lado, libertar-se de qualquer presunção de omnipotência e colocar, humildemente, as próprias capacidades e dons ao serviço do bem comum.

Escutar nunca é fácil. Às vezes é mais cómodo fingir-se de surdo. Escutar significa prestar atenção, ter desejo de compreender, dar valor, respeitar, guardar a palavra alheia. Na escuta, consuma-se uma espécie de martírio, um sacrifício de nós mesmos em que se renova o gesto sacro realizado por Moisés diante da sarça-ardente: descalçar as sandálias na «terra santa» do encontro com o outro que me fala (cf. Ex 3, 5). Saber escutar é uma graça imensa, é um dom que é preciso implorar e depois exercitar-se a praticá-lo.

Também e-mails, sms, redes sociais, chat podem ser formas de comunicação plenamente humanas. Não é a tecnologia que determina se a comunicação é autêntica ou não, mas o coração do homem e a sua capacidade de fazer bom uso dos meios ao seu dispor. As redes sociais são capazes de favorecer as relações e promover o bem da sociedade, mas podem também levar a uma maior polarização e divisão entre as pessoas e os grupos. O ambiente digital é uma praça, um lugar de encontro, onde é possível acariciar ou ferir, realizar uma discussão proveitosa ou um linchamento moral. Rezo para que o Ano Jubilar, vivido na misericórdia, «nos torne mais abertos ao diálogo, para melhor nos conhecermos e compreendermos; elimine todas as formas de fechamento e desprezo e expulse todas as formas de violência e discriminação» (Misericordiae Vultus, 23). Em rede, também se constrói uma verdadeira cidadania. O acesso às redes digitais implica uma responsabilidade pelo outro, que não vemos mas é real, tem a sua dignidade que deve ser respeitada. A rede pode ser bem utilizada para fazer crescer uma sociedade sadia e aberta à partilha.

A comunicação, os seus lugares e os seus instrumentos permitiram um alargamento de horizontes para muitas pessoas. Isto é um dom de Deus, e também uma grande responsabilidade. Gosto de definir este poder da comunicação como «proximidade». O encontro entre a comunicação e a misericórdia é fecundo na medida em que gerar uma proximidade que cuida, conforta, cura, acompanha e faz festa. Num mundo dividido, fragmentado, polarizado, comunicar com misericórdia significa contribuir para a boa, livre e solidária proximidade entre os filhos de Deus e irmãos em humanidade.

Papa Francisco

Vaticano, 24 de Janeiro de 2016.

Fonte: Rádio Vaticano

Share
Santuário de Fátima reza pela unidade dos cristãos

Santuário de Fátima reza pela unidade dos cristãos

santuário_Fátima_01Nestes dias, em que os países do hemisfério Norte vivem a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, o Santuário de Fátima, em Portugal, tem colocado esta intenção em todas as suas celebrações oficiais.

“Fátima acolhe a todos, tem o caráter universal da Igreja”, indicou o capelão, padre Francisco Pereira à página do Santuário.

O sacerdote destaca que “no Santuário não há portões ou cercas, está sempre aberto a todos”. “Nossa Senhora está sempre no seu nicho para ser visitada presencialmente ou mesmo para ser vista na internet pelos que estão longe”.

Esta experiência da Semana de Oração, segundo o padre Francisco, “é enriquecedora” para o Santuário de Fátima, “porque nos faz ter em conta que somos católicos, universais, englobantes”.

Abrir o coração a todos

A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos teve início no dia 18 de janeiro e segue até o dia 25, com o tema “Chamados a proclamar os altos feitos do Senhor”, uma citação tomada de I Pedro 2,9.

“Este momento de oração pela unidade dos cristãos deve servir para ajudar os católicos a abrir o coração a todos, sobretudo, percebendo que não devemos olhar só ao passado, mas antes abrir o nosso coração aos irmãos e aos desafios que Deus nos dá e à vontade de Deus”, disse o capelão do Santuário.

O sacerdote vê este propósito de oração como um “convite” a aproximar-se dos irmãos.

“A experiência com outras religiões tem sido enriquecedora por ajudar a olhar para Maria de outras maneiras. Por exemplo, os Luteranos olham para Maria como menina do sim numa perspectiva vocacional, e nós olhamos para Maria como mãe de Deus. Nossa Senhora é a mesma, mas vista de duas perspectivas diferentes, muito relacionadas com a psicologia e o modo de viver a fé”.

Pe. Francisco diz ter em mente que, nas celebrações que preside no Santuário, “há muita gente que me ouve e não tem caminhada católica”. Mas, segundo ele, nestes momentos “é fundamental procurar apresentar a fé de forma perceptível e vivida nas circunstâncias em que estamos”, pois “é importante perceber os sinais dos tempos e ouvir os desafios de Deus, respondendo na fidelidade do Evangelho”.

Fonte: Canção Nova

Share
A crise econômica pode afetar minha família?

A crise econômica pode afetar minha família?

crise_financeiraO Brasil, como todos sabem, está passando por um momento de crise econômica e política.

Só se fala disso nos jornais e noticiários, nas conversas entre amigos, nas redes sociais e internet. Primeiramente, é preciso entender que não é um momento qualquer: estamos falando da maior crise econômica dos últimos 25 anos! Se confirmada as previsões dos economistas e especialistas em finanças, será a primeira vez, desde 1948, quando iniciou a série de medições do IBGE, que o Brasil viverá dois anos seguidos de recessão. Tomando esse pano de fundo, surge a questão: como toda essa crise pode afetar o casamento, a família e o lar dos brasileiros? A crise econômica pode afetar o meu casamento? Como fica a relação do casal diante das dificuldades financeiras?

Falar sobre economia é tratar de números e projeções. Já o casamento é uma questão mais profunda, e não pode ser generalizado. Cada família, cada casal, tem o seu modo próprio de lidar com situações adversas e dificuldades como as que se vivem hoje, dada a crise econômica. Dito isso, é preciso verificar alguns pontos que podem contribuir para enfrentar melhor a situação, como a perda de emprego, a redução do dinheiro no bolso devido à inflação que corrói os salários e a dificuldade para conseguir crédito com juros mais altos e aumento de impostos. Diante desse cenário, algumas dicas são valiosas para o casal enfrentar bem a crise financeira.

Diálogo financeiro do casal

Onde estamos financeiramente? Onde queremos chegar? Quais as fontes de desentendimento financeiro entre nós? Quais gastos são desnecessários hoje? Qual o valor total de nossa dívida? São perguntas importantes a serem feitas. O casal precisa dialogar constantemente sobre a questão/situação financeira. Pode não ser agradável para alguns falar sobre dívidas, salários, gastos e investimentos, mas é uma conversa que não pode ser adiada. No entanto, é preciso escolher o melhor momento para fazê-lo, como um dia tranquilo, com tempo suficiente, em local reservado ao casal, para que a questão financeira não seja afetada por fatores externos. É preciso pensar como casal. Estamos nos deixando levar pelo consumismo? Realmente precisamos comprar isso?

“Quem não pensa é pensado pelos outros.” (Sócrates)

Muitos casais acabam por falar, muitas vezes, durante o corre-corre do dia a dia, sobre finanças, mas nunca chegam a um ponto comum. Falam o tempo todo, mas não se sentam à mesa, com uma planilha eletrônica, caderno ou aplicativo de celular, para apontar tudo de uma só vez. É melhor sentar e falar tudo, ouvir tudo um do outro, do que passar meses com conversas financeiras pela metade. Uma conversa madura e pontual, sem acusações mútuas e com a realidade financeira no papel (ou no laptop), pode evitar desentendimentos. Quando se coloca tudo no papel (ou na planilha), o alvo passa a ser os números, e não o cônjuge. Isso ajuda muito a mostrar que ambos estão do mesmo lado, e não um contra o outro. O desafio está logo à frente, posto a mesa, e pode ser vencido!

Após dialogar sobre finanças, pontualizar (e muitas vezes pedir perdão), chega-se o momento de fazer planos.

O Futuro do Casal e da Família: Onde queremos chegar?

Onde queremos chegar em 3 meses, 6 meses, 1 ano, 5 anos, 10 anos…? Sem metas nem objetivos, o casal pode andar em círculos e se desgastar. Quantos anos temos até a aposentadoria? Temos uma reserva para emergências? Que futuro podemos dar aos nossos filhos? Santo Inácio de Loyola escreve: “Age como se tudo dependesse de ti, mas consciente de que na realidade tudo depende de Deus”.

Confiança em Deus

Para o casal, é imprescindível confiar em Deus e fazer a sua parte. A cada vitória financeira é preciso comemorar, mesmo que seja com algo que não custe nada. O importante é superar os desafios econômicos e fazer uso da situação para unir o casal. A crise financeira passará, e os casais e famílias que souberem conviver com ela equilibradamente, com diálogo e compreensão, colherão frutos de disciplina financeira e maior unidade. O que não nos destrói, torna-nos mais fortes.

Bruno Cunha

Fonte: Canção Nova

Share
Novo tempo para a catequese na Arquidiocese de Florianópolis

Novo tempo para a catequese na Arquidiocese de Florianópolis

Desenho-sobre-iniciação-à-vida-cristã

A Arquidiocese de Florianópolis inicia em 2016 um novo processo de Iniciação à Vida Cristã, que corresponde aos sacramentos do Batismo, Eucaristia e Crisma. Este método tem como inspiração o processo realizado no início da Igreja que era chamado de Catecumenato. Na época, a pessoa que queria tornar-se cristã se aproximava da comunidade e começava um processo de conhecimento e de experiência com Jesus Cristo, através do contato com a Palavra de Deus e de ritos que a levava a uma profunda conversão e adesão.

Saiba como isso ocorrerá:

O que vai mudar? O jeito de entender e compreender a Catequese ou a Iniciação a Vida Cristã.

O processo inicia em 2016. Ou seja, quem iniciou antes disso ainda viverá o processo antigo.

Os pais que têm filhos que completam 09 anos em neste ano já podem inseri-los no processo novo.

Como se dará isso? É uma mudança de mentalidade em relação a Catequese. A Igreja quer os pais e a família presentes e ativos no processo de Iniciação. É necessário mudar a ideia de que basta frequentar a Catequese, a Missa ocasionalmente e receber o sacramento. O objetivo é levar o catequizando e sua família a um processo de conversão, de amadurecimento e de comprometimento com a proposta de Jesus Cristo. É preciso compreender, assumir e viver o que se acredita e se professa.

Assim quando os pais chegarem para fazer a inscrição da catequese será apresentado para eles a proposta da catequese. Os pais terão durante três meses (abril, maio e junho) dois encontros mensais e em julho as crianças serão oficialmente acolhida Iniciação a Vida Cristã. Em agosto começa uma nova etapa para as crianças e os pais. As crianças são acolhidas, em clima festivo e iniciam sua caminhada.

O processo passará por mudanças na questão de participação das famílias. Ele terá etapas e fases. Cada uma terá uma celebração envolvendo os pais, filhos e comunidade:

1º Tempo com os catequizandos – Pré-Catecumenato: Tempo de despertar para uma primeira aproximação e encantamento com a pessoa de Jesus Cristo. É tempo que precede o processo catequético propriamente dito. Chamado também de pré-catecumenato. Ao final desse tempo acontece a Celebração de entrada para o tempo da catequese.
2º Tempo com os catequizandos – Querigma – Catequese: É o tempo mais longo, pois é dedicado ao estudo bíblico-doutrinal e ao aprofundamento. Está estruturado em fases, celebrações e eixos temáticos. Nele, o catequizando é convidado a conhecer e a experimentar os principais aspectos da doutrina cristã. É conhecido como catecumenato. Acontecerá celebração de entrega da Palavra de Deus; da vida; natalina; oração do Senhor; mandamento do Senhor; da reconciliação.
3º Tempo de Iluminação e purificação: O catequizando, já introduzindo na experiência cristã e desejando tornar-se discípulo, é eleito pela comunidade eclesial para a iniciação sacramental. O eleito fará uma experiência de amadurecimento espiritual cuja finalidade é iluminar e purificar a mente e o coração para uma experiência do Mistério Pascal através dos sacramentos. Acontecerá a celebração das promessas do Batismo; celebração do Sacramento da Eucaristia; vivências pós-eucaristia.
 4º Tempo da Mistagogia: É o tempo litúrgico por excelência. Recomenda-se que seja vivenciado ao longo do tempo pascal. Iluminados pelos sacramentos recebidos, os iniciados são chamados a vivenciar a salvação oferecida por Deus na liturgia comunitária, fonte para a missão na Igreja e sociedade. Os catequizandos serão chamados a participar semanalmente da missa e os encontros devem acontecer a cada 15 dias.

 

Para a crisma também haverá tempos:

1º Tempo: Anúncio de Jesus

2º Tempo: Catequese

3º Tempo: Quaresma – Pascoa – Pentecostes e Sacramento da Crisma

4º Tempo: Mistagogia – Integração na comunidade

 

Share
Papa: “A fé é nossa vitória. Longe de Deus somos derrotados”

Papa: “A fé é nossa vitória. Longe de Deus somos derrotados”

Papa_Francisco_02Nesta quinta-feira (13/01), o Papa celebrou a missa matutina na Casa Santa Marta e começou a homilia inspirando-se no trecho do Livro de Samuel que narra a derrota do Povo de Deus, vencido pelos filisteus:

É um massacre enorme, o povo perde tudo, inclusive a dignidade. “O que levou a esta derrota?”, perguntou o Papa, respondendo: o povo “lentamente havia se afastado do Senhor e vivia de modo mundano, com os ídolos que possuía”. Iam ao Santuário de Silo, mas “como se fosse um costume cultural: haviam perdido a relação filial com Deus. Não adoravam Deus! E o Senhor os deixou sozinhos”. O povo usa até mesmo a Arca de Deus para vencer a batalha, mas como se fosse uma coisa “um pouco mágica”.

“Na Arca – lembra o Papa – havia a Lei, a Lei que eles não respeitavam e da qual haviam se afastado”. Não havia mais “uma relação pessoal com o Senhor! Eles tinham se esquecido que Deus os havia salvado. E assim, são derrotados: 30 mil israelitas mortos, a Arca de Deus é tomada pelos Filisteus; os dois filhos de Eli, “aqueles sacerdotes delinquentes que exploravam o povo no Santuário de Silo” morrem. “Uma derrota total” – afirma o Papa – “um povo que se afasta de Deus acaba assim”: tem um santuário, mas o coração não está com Deus, não sabe adorar Deus:

“Crê em Deus, mas num Deus meio ’escondido, distante, que não entra no coração e você não obedece seus Mandamentos. Esta é a derrota!”. O Evangelho do dia, ao invés, nos fala de uma vitória:

“Naquele tempo, foi a Jesus um leproso que o suplicava de joelhos – num gesto de adoração – e lhe dizia: ‘Se quiser, pode purificar-me’. Ele desafia o Senhor dizendo: eu sou um perdido na vida. O leproso era um derrotado porque não podia viver em comum. Ele era ‘descartado’, posto de lado. Mas você pode transformar esta derrota em vitória! Ou seja: ‘Se quiser, pode purificar-me’. Diante disto, Jesus teve compaixão, estendeu a mão, tocou-o e disse-lhe: ‘Eu quero. Seja purificado!’. Assim, simplesmente: esta batalha terminou em dois minutos com a vitória. A outra, toda a jornada, com a derrota. Aquele homem tinha algo que o levou a ir a Jesus e lançar aquele desafio. Ele tinha fé!”.

O Apóstolo João diz que a vitória sobre o mundo é a nossa fé. “Nossa fé vence, sempre!”

“A fé é vitória. A fé. Como este homem: ‘Se você quiser, pode fazê-lo’. Os derrotados da primeira leitura rezavam a Deus, carregavam a Arca, mas não tinham fé, tinham-na esquecido. O outro tinha fé e quando você pede com fé, o próprio Jesus nos disse que se movem as montanhas. Nós somos capazes de mover uma montanha de um lado para outro: a fé é capaz disso. Jesus mesmo disse: ‘Tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, vos será dado. Pedi e recebereis; batei e vos será aberto’. Mas com fé. E esta é a nossa vitória”.

Papa Francisco concluiu a homilia com esta oração:

Peçamos ao Senhor que a nossa oração sempre tenha a raiz da fé, nascida da fé n’Ele. A graça da fé: a fé é um dom. Não se aprende nos livros. É um dom que o Senhor lhe dá, mas basta pedi-la: ‘Dá-me a fé!’. ‘Creio, Senhor ‘, disse aquele homem que pedia a Jesus para que curasse o seu filho: Peço Senhor, ajuda a minha pouca fé’. A oração com fé e é curado … Peçamos ao Senhor a graça de rezar com fé, para ter certeza de que tudo o que pedimos a Ele será dado, com a confiança que nos dá a fé. E esta é a nossa vitória: a nossa fé”.

Fonte: Rádio Vaticano

Share
Uma Igreja a serviço dos mais necessitados

Uma Igreja a serviço dos mais necessitados

1764No coração de Deus, ocupam lugar preferencial os pobres, tanto que até Ele mesmo ‘Se fez pobre’ (2 Cor 8, 9). Todo o caminho da nossa redenção está assinalado pelos pobres”. As palavras do Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium expressam o chamado da Igreja a ter uma opção preferencial pelos mais necessitados. Atenta a voz do Papa e às Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja do Brasil, a Arquidiocese de Florianópolis, através do seu Plano de Pastoral, estabeleceu a prática da caridade como uma das cinco urgências da Igreja local.

Para melhor atender as necessidades dos menos favorecidos foi lançado o projeto “A Caridade Social na Arquidiocese”. Organizado pela Ação Social Arquidiocesana (ASA) a iniciativa nasceu da necessidade de organizar, divulgar e incentivar a prática da dimensão da caridade. De acordo com o Diácono Djalma Lemes, Presidente da ASA, o projeto se propõe a auxiliar os párocos no fortalecimento das ações sociais paroquiais. “O desenvolvimento das propostas compreende primeiramente, a adesão dos párocos ao projeto para que se tenha uma estrutura mínima de atendimento às pessoas em situação de vulnerabilidade e de exclusão social”, ressaltou o diácono.

As atividades do projeto “A Caridade Social na Arquidiocese” serão desenvolvidas no âmbito arquidiocesano, forâneo e paroquial. A nível diocesano, o projeto pretende fortalecer a divulgação e conscientização para a prática efetiva da caridade. O Diácono Djalma destaca que todas as pastorais e movimentos devem ter consciência que também precisam “colocar-se a serviço da vida plena para todos”. Essas atividades serão coordenadas e desenvolvidas pela ASA em parceria com as coordenações arquidiocesanas das pastorais.

No âmbito das foranias as ações sociais serão realizadas em parceria com os vigários forâneos. Cada forania será representada por um diácono da diretoria da ASA que vai acompanhar a implantação do projeto nas paróquias.

O desenvolvimento do projeto a nível paroquial deseja estruturar e organizar as ações sociais de forma que tenham condições de atender as pessoas em situação de vulnerabilidade social básica: alimentação, vestuário e encaminhamentos emergenciais para tratamento de saúde e dependência química, entre outras.

 Desafios

Na Arquidiocese de Florianópolis muitos trabalhos sociais já são realizados, mas ainda é pouco, de acordo com o Diácono Djalma Lemes. “Na caridade social nunca iremos fazer o bastante”, observou. O Plano de Pastoral Arquidiocesano identificou um aumento das desigualdades sociais, o relatório do projeto “A Caridade Social na Arquidiocese” aponta que “surge uma nova face da pobreza, estampada no rosto dos moradores de rua, migrantes, enfermos, drogados, presos e outros; que além de explorados, são supérfluos e descartáveis”.

O Projeto tem como intenção desenvolver trabalhos sociais de acordo com a realidade de cada paróquia. Ainda segundo o relatório, as situações de vulnerabilidade social apresentam-se como um grande desafio às ações sociais paroquiais.

A partir da realidade de cada região a Ação Social Arquidiocesana, através do diácono que representa a forania, vai desenvolver atividades para aprimorar os programas, projetos e serviços, para que de fato a transformação social aconteça naquela comunidade.

A ASA tem como intenção acompanhar todas as atividades sociais na Arquidiocese. “O ideal é que todos os trabalhos sociais sejam filiados a ASA”, afirma o Diácono Dijalma. Atualmente 48 projetos são filiados. A parceria com a ASA garante que a obra receba assessoria e treinamento e também é uma forma de promover a comunhão eclesial.

Os trabalhos de ação social associados à ASA são mantidos pelo Fundo Arquidiocesano de Solidariedade oriundo da coleta da evangelização promovida pela Igreja em todo o Brasil.

Metas do Projeto “A Caridade Social na Arquidiocese”

Até dezembro de 2015 a ASA estabeleceu quatro metas a serem desenvolvidas em toda a Arquidiocese de Florianópolis:

– Meta 01: Visitar 50% das ações sociais paroquiais, identificando as principais demandas sociais e ações práticas já existentes, propondo as adequações necessárias.

– Meta 02: Estruturar e organizar a Ação Social em todas as paróquias que não possuem atendimento social.

– Meta 03: Ampliar de 48 para 70 o número de ações sociais filiadas à Ação Social Arquidiocesana.

– Meta 04: Ampliar de 10% para 30% as Ações Sociais com participação de conselheiros nos conselhos municipais.

Fonte: Revista A Palavra: Uma Igreja a serviço dos necessitados. Págs 17 e 18, ed. 45, janeiro/2015.

Share